sábado, 30 de junho de 2012

Zarah Leander









Zarah Leander foi uma  atriz e cantora   sueca  de  singular  beleza .Nasceu  em  15 março 1907 em Karlstad , Suécia ,faleceu  em 23 de junho 1981 em Estocolmo , Suécia ;  seu  verdadeiro nome éra Sara Stina Hedberg .


Seu pai era um fabricante de instrumentos e agente  imobiliário . Ela cresceu com quatro irmãos. Seu irmão Gustavo Hedberg também se tornou um ator. A bisavó da família do pai veio de Hamburgo .


Seu pai estava em Leipzig quandop  começou a estudar  música. Através da influência de sua babá alemã e seu professor de piano alemão, ela já estava familiarizada com o idioma   e cultura alemã   já  na  infancia . Desde 1911, ela recebia aulas de violino e piano, e se apresentou com seis anos em um  concerto para  Chopin . Até 1922, ela estudou  em  uma escola primária e depois foi para Riga , onde aperfeiçoou seu alemão.


Em 1929 cantou      no  teatro  de   revista de  Rolf Ernst , com a sua distinta voz de contralto era uma estrela. Com a gravadora Odeon , ela fez um contrato e demorou até 1936 para   gravar   80 músicas. Zarah Leander 1929-1935 trabalhou junto com Karl Gerhard em inúmeros teatros  de   revista  e  na Suécia, feztrês longas-metragens. 1926-1932, ela foi casada com o ator Nils Leander, teve dois filhos com ele . Zarah Leander  tambem  casou-se   1948 com o jornalista Vidar Forsell .


Por Max Hansen Leander veio para Viena . Sua grande chance aconteceu lá em 1 Setembro 1936 na estréia da opereta Axel na porta do céu no Theater an der Wien .   Leander tocou e cantou no papel feminino principal,  de Gloria Mills, que era uma paródia de Greta Garbo . Leander ganhou elogios, foi por Franz Lehár , parabenizada mais de 62 vezes ela foi chamada ao  palco antes que a cortina  se  fecha-se . Com   a parceria Leander e Hansen nesta produção teriam  tambem  os  nomes  de  Paul Morgan, Otto Wallburg e Heidemarie Hatheyer .   Este foi a primeira e  última aparição  no  teatro  por  anos , ela  apenas   voltou a  se  apresentar em  teatro  em 1958 - novamente em Viena - para inaugurar  um novo  teatro.


Paralelo ao seu compromisso no  teatro  ela também  fez seu primeiro filme alemão-austríaco   . Dirigido por Géza von Bolvary ela apareceu no Premiere , uma revista na Krimimelodram ambiente desempenha um papel importante. Leander e  parceiros estavam presentes, entre outros , Charles Martel , Theo Lingen , Átila , Carl Guenther , Maria Bard e Walter Steinbeck .




A sua voz melosa e grave, , contralto  fascinante     aliada à sua inegável beleza, converteu-a na diva preferida dos alemães e do regime. Substituiu no imaginário popular figuras como Marlene Dietrich ou Greta Garbo, que tinham emigrado para os Estados Unidos.



1930 marca o inicio da sua carreira cinematografica, com a sua participação no filme Dantes Mysterier.


Após o êxito de Dantes Mysterier foi convidada para participar na Opereta de Benatzky, em Viena, iniciando assim a sua carreira na Großdeutschland. 

Já em 28 de Outubro 1936 Leander assinou um contrato com o estudio   alemão Ufa , em condições favoráveis ​​para ela: ela poderia  escolher seus próprios roteiros, e mais da metade do seu salário foi pago em coroas suecas.

Ainda em Viena filmou Premiere, para logo incorporar-se na Universum Film AG, onde, entre 1937 e 1943, assegurou personagens de femme fatale. O seu êxito entre o público  de  fala  alemã levou a que se tornasse na grande estrela cinematográfica da Alemanha Nazi.

















Ela era a  estrela de cinema mais bem paga do sexo feminino no Terceiro Reich em. Mesmo Hitler gostava muito dela, como  disse em uma entrevista. Mas não há imagens ou relatórios que mostram os dois juntos em um evento público.  Zarah Leander era uma cidadã sueca e chamou a si mesmo, sempre como uma artista apolítica.
























De 1937 a 1943, ela fez seus filmes mais famosos: Zu neuen Ufern (1937),  La Habanera (1937), Heimat (1938),  Es war eine rauschende Ballnacht (1939),Die große Liebe (1942,  dirigido : Rolf Hansen),Der Weg ins Freie (1941), Damals (1942), alguns deles dirigido por Carl Froelich . Joseph Goebbels escreveu o dia 6 Outubro 1937 em seu diário: "O sucesso financeiro com ela é enorme."Em 1943, as dificuldades económicas da UFA, obrigaram-na a regressar à Suécia, onde continuou a sua carreira profissional. Contudo, nunca recuperou o êxito dos seus anos na Alemanha, que muito a marcaram.Após o seu último dia de filmagens em 10 de Novembro 1942 ela deixou a Alemanha e voltou para sua mansão Loenoe para a Suécia. Na Suécia, os filmes alemães tiveram uma certa popularidade.


Estrela de cinema em  1937  das  mais  conhecidas as gravações  de  Leander   foram feitas sob a marca Odeon .
Zarah Leander   retomou  a  carreira  artistica  , após a guerra  em 1947, na Suíça . Com o  compositor Ralph Benatzky deram  performances no Geneva radiodifusão. Como as primeiras gravações    pós-guerra  , seguiram-se  outras aparições em concertos em Berna , Basiléia e Zurique . Em 1948 ela conheceu Michael Jary e com ele e sua orquestra novamente  fizeram  uma   turnê  na Alemanha (1948/1949), onde  era muito popular. Em 1949, ela também apareceu pela primeira vez na sua Suécia natal, em Malmö , e se casou com seu  terceiro esposo em janeiro de 1956, o maestro sueco e pianista de jazz Hülphers Arne , que a acompanhava   musicalmente desde 1952.


1950 Zarah Leander pela primeira vez em sete anos  fez  um filme. Dirigido por Geza von Cziffra foi Gabriela . O drama de mãe e filha foi com empréstimos muitos de seus filmes anteriores, novamente um  típico filme Zarah Leander . Na bilheteria o filme foi um sucesso. Leander estava insatisfeita com o resultado e saiu em turnê novamente em 1951, que a levou a vários países.


A partir de então dedicou-se ao desempenho de suas canções. Peter Kreuder compôs para  ela  o musical Madame scandaleuse e Senhora de Paris , com textos de Ernst Nebhut e Karl Farkas . Na Suécia e na Alemanha surgiu no início dos anos 1960 mostra televisão com seus pinheiros . Além disso, uma apresentação foi seguida no musical O azul do céu por Friedrich Hollaender .


Em 5 Setembro 1958 Zarah Leander   retorna aos palcos  de  Viena   no  Teatro Raimund  em Madame scandaleuse , um musical de Ernst Nebhut e Kreuder Peter  onde ela interpretou o papel principal  ,   com  este papel     também fez aparições em 1959, em Munique , Berlim e Hamburgo .
Durante uma apresentação na primavera de 1975, Zarah Leander   teve  um   colapso durante uma apresentação, e, finalmente, em Estocolmo, ela sofreu seu primeiro acidente vascular cerebral .


Zarah Leander e Marika Rökk foram os ícones femininos do cinema alemão. 


Em junho de 1979 ela deu uma conferência de imprensa em seu último adeus ao palco. Zarah Leander se retirou para sua propriedade em Loenoe. Após várias estadias no hospital, ela morreu de outra hemorragia cerebral e foi enterrada no cemitério de Loenoe.




quinta-feira, 21 de junho de 2012

Readyboost o que é ? funciona ? .



Readyboost    o  que  é  ?  funciona ?   .

ReadyBoost cujo nome técnico é Extended Cache é o nome de uma tecnologia de cache de disco incluída nos sistemas operacionais Windows Vista e Windows 7 da Microsoft. Ela faz com que computadores que estejam rodando o sistema utilize a memória flash de dispositivos como pendrives, cartões de memória (Secure Digital Card, Compact Flash e etc.), entre outros, de forma a melhorar a performance geral do computador.



O Windows Vista/7 aproveita dos dispositivos de memória compatíveis que estiverem inseridos no computador para realizar o cache das informações, com uma performance de leitura cerca de 10 vezes mais rápida que um disco rígido tradicional. Apesar disso, dispositivos de memória flash são mais lentos para operações de entrada/saída sequencial, então, para maximizar a performance o sistema redireciona tais operações para o disco rígido.


Segundo a Microsoft parte do ganho também se dá graças aos algoritmos avançados de gravação nas mídias removíveis pois estas têm as informações comprimidas a uma taxa de 1.8x a 2.3x.


Quando o usuário remover o dispositivo, apenas o cache é perdido. Não há perda de dados importantes, nem prejuízo ou risco ao sistema. Fator importante, já que se trata de um dispositivo móvel.


Com o Readyboost o usuário perceberá melhorias consideráveis durante tarefas pesadas e repetitivas de acesso ao disco. Isto inclui quando há pouca memória disponível e tarefas como troca de usuários.


Quando um dispositivo compatível é conectado ao computador, o Windows informa ao usuário a opção de utilizá-lo para melhorar o sistema, e uma opção adicional é adicionada aos controles de disco onde é possível determinar a quantidade de espaço do cartão que pode ser utilizada. O ReadyBoost pode ainda ser capaz de utilizar memória RAM ociosa em computadores em rede numa próxima atualização.


Imporante fato e principal que a memória RAM instalada tem melhor desempenho nativo e o Readyboost permite que esta seja liberada com uso da memória flash como arquivo flutuante da própria RAM, o Windows usa a memória flash como flutuante da RAM (veja termo inglês swim), para deixar memória RAM instalada livre; ao mesmo tempo somado a velocidade e a quantidade da memória flash adicionada; recomenda a Microsoft o dobro da RAM e ainda para um melhor desempenho (4x) quatro vezes a memória RAM instalada; ReadyBoost libera memória RAM instalada e acrescenta a memória flash como flutuante da principal. 


Recomenda-se um mínimo de 1GB de memória Flash; e que se reinicie o sistema, vez que o uso da memória flash ocorre gradualmente e em conjunto com a RAM instalada, não ocorre uma transferência abrupta de arquivos guardados na RAM para dentro da memória flash pelo simples fato de ser adicionada, ocorre processo gradual de gerenciamento dos dois tipos de memória que estão em conjunto. 


Resulta em que a memória RAM que tem melhor desempenho e maior velocidade fica mais liberada para outras tarefas, enquanto fica somado ao sistema o desempenho paralelo da memória flash adicionada; o que reflete acréscimo de desempenho no sistema ; como exemplo, uso de vários programas, navegadores e aplicativos, abertos em conjunto. A finalidade da memória flash adicionada é auxiliar e aumentar a RAM instalada, como coadjuvante; as tarefas maiores ainda ficam relegadas a principal. Então ocorre que para maximizar o desempenho do sistema se acrescente memória RAM de alto desempenho e grande capacidade de armazenamento, e então o ReadyBoost maximiza o sistema, liberando memória RAM, rapida e de maior desempenho e acrescentando memória flash(como flutuação para a RAM principal) com respectiva velocidade e capacidade de armazenamento; Isso faz com que a memória RAM principal "Navegue" com rapidez, se torne mais dinâmica e tenha desempenho melhorado; Somando então memória RAM com memória flash reservada no ReadyBoost, aumenta globalmente o desempenho de todo o sistema.



A memória RAM fica mais livre e dinâmica; usando a memória Flash como de secundária,ou de flutuação. Acontece melhor gerenciamento de memória RAM; então esta fica preservada em funcionalidade, uso e desempenho e tem a vida útil prolongada, em especial com o uso de variados aplicativos em conjunto, ou uso massivo de aplicativos; Cada vez entre inumerávies vezes que o sistema busca arquivo guardado na memória Flash, a RAM fica livre dessa tarefa assim como também o HD(Disco-Rígido), livre para outras tarefas, e tem sua vida útil prolongada. 


Grande otimização usar memória Flash para dinamizar a RAM; desnecessário deixar arquivos simplesmente ocupando espaço na RAM; Fazendo esta ficar menos sobrecarregada e tendo uma auxilidar ou coadjuvante a memória RAM tem a Vida Útil aumentada.

Quanto ao HD (Disco Rigido); Fato de a memória Flash ter acesso randômico ou aleatório mais rápido que o HD é uma grande otimização para o sistema, o gerenciamento, mais rápido e otimizado; quando se tem uma memória auxiliar para essa finalidade. Enquanto arquivos aleatórios ou randômicos são acessados com grande velocidade na memória Flash, onde estão organizados em especial atenção arquivos muito frequentemente acessados, fica o HD livre consequentemente para gerenciar arquivos maiores onde tem a vantagem de leitura sequencial bastante rápida; Fato muito importante para otimização e aumento da Vida Útil do HD, enquanto são evitadas leituras nele funciona como otimização de vida útil; vez que deixa de acessar uma infinidade de arquivos e de vezes esses mesmos; Pelo que deixar de buscar infinidades de arquivos aleatórios ou randômicos constantemente, esta livre para leituras sequenciais maiores; Fica evidente otimizado que o HD tem sua vida útil aumentada; em especial no caso de usá-lo como servidor.


Todo sistema tem certa quantidade de memória RAM ativa não utilizada, o Readyboost pode guardar esta memória como cache; A Microsoft se refere a este como a eliminação de estado de memória frio; onde a RAM carrega mas para ocupar espaço nela. Usando o SuperFetch(ver este termo) esta memória pode ser carregada como pré-cache; SuperFetch é um aplicativo que a Microsoft desenvolve para organizar e otimizar o sistema, em especial usando estimativas de programas ou aplicativos mais comumente abertos e ou usados mais regularmente e organiza este cache; o SuperFetch aprende sobre os usos dos aplicativos e busca otimizar os processos. Ainda se tem como importante que sempre que a memória RAM não esta sendo utilizada tem sua vida útil aumentada; assim como quando arquivos ou aplicativos não são constantemente acessados no HD(Disco-Rígido) este tem também sua vida útil aumentada; por dois fatos, ele esta sendo menos acessado quando são chamados esses aplicativos e pode dar mais atenção a partes que necessitam de fato, como por exemplo grandes leituras sequenciais de arquivos. Incluso for utilizado como HD(Disco-Rígido) um Disco de Estado Sólido (SSD) que é construido com memória Flash, este tem também a mesma otimização por esses fatos, de estar livre de tarefas repetitivas, de poder concentrar a atenção em tarefas mais necessárias e pelo fato de ser menos acessado tem sua Vida Útil aumentada. 


Assim mesmo quando substituirem discos magnéticos por discos Flash de estado sólido (SSD) o Readyboost através da otimização do SuperFetch é forma interessante para otimizar o sistema.


Considerada que a memória Flash esta cada vez mais rápida e com maior capacidade, uma interatividade dela com o sistema operacional tende a trazer grandes ganhos se for utilidada para otimização; pelo fato de organizar tarefas comuns ou constantemente acessadas, permitindo reforçar a capacidade de outros elementos do conjunto do sistema por permitir concentração em tarefas mais necessárias, eliminando estados "frios" ou apenas repetitivos; e aumentando a vida útil do conjunto devido ao não uso desnecessário. 


Fato coadjuvante da memória Flash é interessante para todo o sistema, aí se preve ainda mais utilidades para o Readyboost na otimização usando SuperFetch (ver termo) para gerenciar os processos.


Formatação - memória Flash - Formatar Pen drive. Formatar em FAT32 que é leve mas somente da suporte a uso de 4GB para Readyboost no sistema. Formatar em NTFS permite para uso de mais que 4GB dando suporte a partições maiores do que 32GB para formatação. Formatar em NTFS da suporte a maior segurança. 


Para formatar em NTFS antes va onde mostra o dispositivo Flash; va em Propriedades / Hardware / Selecione o Dispositivo Flash que ira formatar / Clique em Propriedades / Diretivas / Selecione opção Melhor desempenho.

Para um dispositivo ser compatível é necessário que:

Tenha capacidade mínima de 256 MB.
Deve suportar o protocolo USB 2.0.
Deve ser capaz de fazer leitura com velocidade de 3.5 MB/s escrita a 2.5 MB/s.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Flame, sucessor do Stuxnet,

Detalhes sobre vírus  Flame, sucessor do Stuxnet que atacou e monitorou secretamente as redes iranianas     são revelados


Estados Unidos e Israel desenvolveram juntos um sofisticado vírus de computador, apelidado como Flame, que reunia informações sigilosas como preparativo para a espionagem cibernética que tinha como objetivo retardar a capacidade iraniana de desenvolver uma arma nuclear.

O imenso código malicioso mapeou e monitorou secretamente as redes de computador iranianas e enviou de volta um fluxo contínuo de informações sigilosas para a preparação de uma campanha de guerra cibernética, de acordo com fontes ocidentais.

A iniciativa, que envolveu a Agência de Segurança Nacional (NSA), a CIA e o Exército israelense, incluiu o uso de software destrutivo como o vírus Stuxnet com o objetivo de provocar defeitos no equipamento de enriquecimento de urânio do Irã.

Os detalhes que emergiram a respeito do Flame trazem novas pistas a respeito daquela que é considerada a primeira campanha contínua de sabotagem cibernética contra um adversário dos EUA.

"Trata-se de preparar o campo de batalha para um novo tipo de missão secreta", disse um ex-funcionário do alto escalão do serviço americano de informações, acrescentando que Flame e Stuxnet foram elementos de um ataque mais amplo que prossegue até hoje. "A coleta cibernética de dados contra o programa iraniano já avançou muito mais do que isso.

" O Flame foi descoberto no mês passado depois que o Irã detectou uma série de ataques cibernéticos contra sua indústria do petróleo. A ação foi dirigida por Israel numa operação unilateral que aparentemente pegou desprevenidos seus parceiros americanos, de acordo com vários representantes do governo americano e de países ocidentais que comentaram o caso sob condição de anonimato.

Especulou-se a respeito da participação de Washington no desenvolvimento do Flame, mas a colaboração entre EUA e Israel na criação do vírus ainda não tinha sido confirmada. Analistas comerciais de segurança digital relataram na semana passada que o Flame continha parte do código encontrado no Stuxnet. Especialistas descreveram essa semelhança como uma espécie de prova genética da origem comum dos dois tipos de código malicioso, que seriam a obra de uma mesma entidade.

Porta-vozes da CIA, da NSA e do Gabinete do Diretor Nacional de Informações, bem como da Embaixada de Israel em Washington, não quiseram comentar o caso.

O vírus está entre os mais sofisticados exemplos de código malicioso já revelados até hoje. Especialistas dizem que o programa foi criado para se reproduzir mesmo nas redes de altíssima segurança, passando então a controlar as funções habituais dos computadores para enviar segredos de volta aos seus criadores.

O código era capaz de ativar microfones e câmeras dos computadores, registrar os comandos digitados no teclado, captar imagens exibidas na tela, extrair dados de localização geográfica a partir de imagens, e também enviar e receber comandos por meio da tecnologia sem fio Bluetooth.

O Flame foi projetado para fazer tudo isso enquanto se fazia passar por uma atualização de software rotineira da Microsoft; o vírus passou anos sem ser detectado graças ao uso de um sofisticado programa capaz de decifrar um algoritmo criptográfico.

"Não se trata de algo que a maioria dos pesquisadores de segurança eletrônica tenha a habilidade e os recursos necessários para realizar", disse Tom Parker, diretor de tecnologia da FusionX, empresa de segurança especializada na simulação de ataques cibernéticos patrocinados pelo Estado. Ele disse não saber quem estava por trás do vírus. "Isso só poderia ser a obra dos mais avançados matemáticos criptográficos, como os que trabalham para a NSA."

A cooperação entre americanos e israelenses tinha como objetivo retardar o avanço do programa nuclear iraniano e reduzir a pressão por um ataque militar convencional.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Estadio do Corinthians Câmera Online do canteiro de óbras . em junho de 2012 .



http://www.odebrechtnacopa.com.br/estadio/arena-corinthians
A obra, que completou um ano no último dia 30 de maio, avança em bom ritmo, segundo a Odebrecht Infraestrutura, responsável pela construção. 
A maior parte dos trabalhos de terraplanagem (cerca de 85%) já foi executada, enquanto os serviços de fundação estão 100% concluídos há mais de um mês, tendo sido cravadas 3.960 estacas de concreto. 
A obra registra um avanço de 38% de conclusão, com arquibancada leste quase totalmente concluída e o edifício oeste com cinco pisos, em lajes de concreto, já executados.


Um dos dois túneis que servirão de saídas de emergência nos dias de jogos e shows também já foi concluído. O outro está em fase final de acabamento, bem como a galeria subterrânea de serviço. 


Estão sendo executados diversos serviços no canteiro, como a construção de um muro de contenção entre o edifício oeste e um dos estacionamentos a céu aberto, a instalação de pilares, das vigas jacaré, das lajes e dos degraus (nas arquibancadas sul e leste). Simultaneamente, são realizados os serviços de drenagem, a preparação do terreno para o estacionamento a céu aberto no setor oeste e os primeiros trabalhos de acabamento no prédio leste.





O  Estadio  do  Corinthians, na zona leste da cidade de São Paulo, terá capacidade para 48 mil torcedores. Para sediar a abertura da Copa de 2014 no Brasil, a Fifa prevê 65 mil lugares. Com a exigência, serão adicionados 20 mil assentos removíveis, ficando um total de 68 mil. Os assentos excedentes serão retirados após o encerramento da Copa. O estádio próprio viabilizará um sonho de longa data do Clube. Odebrecht e Corinthians iniciaram em 2004 os primeiros contatos para a construção e, em 2010, como parte das comemorações do centenário corintiano, foi firmado um primeiro acordo entre as duas partes. 


Em julho de 2011, o novo estádio ficou orçado em R$ 820 milhões. Neste valor, já estão incluídos os serviços iniciais de terraplenagem e preparação do terreno do estádio, cujas obras estão sendo executadas desde 30 de maio. O projeto da futura Arena Corinthians, de autoria do arquiteto Anibal Coutinho, prevê que ele tenha instalações para receber 32 Chefes de Estado, representantes dos países que irão disputar a Copa no Brasil. Também haverá estrutura para o trabalho simultâneo de cinco mil jornalistas de todas as partes do mundo.


Estágio Atual


Já com um avanço de mais de 38%, a obra marca 3.960 estacas cravadas.


Empregos Gerados


Durante o pico das obras, serão 2.000. Em junho de 2012, são 1.820.


Localização


Itaquera, bairro da zona leste de São Paulo (SP)


Modelo de Contrato
Contrato privado entre Corinthians e Odebrecht.
Valor
R$ 820 milhões


Início das Obras
30 de maio de 2011.


01. Quem pagará pela construção do estádio?




Uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), a ser constituída para o projeto, tomará o financiamento do BNDES, que por decisão do Governo Federal disponibiliza empréstimos de até R$ 400 milhões para cada cidade que sediar jogos da Copa do Mundo. A SPE utilizará o empréstimo BNDES para custear parte dos investimentos necessários a construção da estádio, sendo que este valor será integralmente repago ao BNDES pela SPE com os recursos gerados pela exploração da estádio, ou seja, a receita futura da Arena Corinthians é quem paga esta conta. A SPE também será a quotista sênior de um Fundo de Investimento Imobiliário que será o titular do estádio e terá o direito a receber os Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CID), que são incentivos baseados em um mecanismo criado em 2004 para estimular investimentos na zona leste. Os recursos provenientes da venda destes certificados a investidores privados custeará outra parcela dos investimentos. As receitas antecipadas do estádio, incluindo aquelas associadas a patrocínios, poderão ser utilizadas para custear parte dos investimentos, caso as outras fontes não sejam suficientes.




02. Como funcionam os CIDs?




São certificados emitidos pela Prefeitura para estimular investimentos em áreas determinadas da cidade. Os certificados podem ter um valor equivalente a até 60% do investimento total. O investidor que tiver estes certificados em mãos poderá utilizá-los como forma de pagamento de ISS e/ou IPTU no município de São Paulo. No caso da Arena Corinthians, o valor dos CIDs foi limitado a R$ 420 milhões, independente do valor final da construção. Os certificados terão validade de até dez anos.




03. Qual o modelo de contrato entre Corinthians e a Odebrecht e quem irá administrar o estádio depois de pronto?




Trata-se de um contrato privado. A administração do estádio será do Corinthians.




04. A quem pertence o terreno? Ao Corinthians, à Prefeitura ou ao Governo do Estado?




O terreno pertence à Prefeitura Municipal de São Paulo que fez concessão de uso ao Corinthians por 99 anos.




05. Como foi solucionada a remoção dos dutos da Petrobras?




Em abril de 2012, foram finalizados os trabalhos de relocação dos dutos da Transpetro, subsidiária da Petrobras, que passam pelo terreno onde a arena é erguida, no bairro de Itaquera, em São Paulo. Também já foram retiradas as tubulações antigas, o que permite à construtora executar serviços na faixa de terreno em que estavam instaladas, inclusive num dos extremos o prédio oeste. Os trabalhos de relocação e de retirada das linhas antigas não afetaram o cronograma das obras.


06. O projeto original já atendia as exigências da Fifa para a abertura da Copa de 2014, ou precisou ser adequado após o anúncio antecipado da CBF e Governos do Estado e Municipal?




O projeto original atendia as especificações da Fifa, mas não previa a participação na Copa de 2014 ou abertura do evento. As ampliações necessárias para que a Arena Corinthians se candidatasse à abertura do mundial foram discutidas posteriormente.




07. Quais adaptações serão necessárias para adequá-lo à capacidade de 65 mil espectadores?




O estádio terá capacidade para 48 mil lugares. Para sediar a abertura da Copa, a Fifa exige 65 mil. Assim serão adicionados 20 mil assentos removíveis, ficando um total de 68 mil. Os assentos removíveis serão retirados após o encerramento da Copa.




08. Quando as obras começaram e qual a previsão de conclusão?




As obras começaram em 30 de maio de 2011 e serão concluídas em dezembro de 2013. O prazo de execução é de 33 meses.


09. Que características de sustentabilidade ambiental serão incorporadas ao projeto?




O estádio está sendo construído dentro dos padrões determinados pela Fifa, com soluções e tecnologias que garantirão o uso racional de recursos naturais – economia de água, aproveitamento da água da chuva, diminuição e reciclagem do lixo gerado, sustentabilidade energética, ventilação e iluminação naturais.




10. Quais obras de infraestrutura no entorno são necessárias para que a abertura da Copa de 2014 seja realizada na Arena Corinthians?




Não só para possíveis jogos da Copa, mas para a futura operação do estádio, terão que ser feitas melhorias em todos os sistemas de transporte. Já existe uma estação do Metrô de São Paulo, a 500 metros, que precisará de ampliação. Serão necessárias ainda passarelas e alças viárias que interliguem o sistema viário existente e as estações ao novo estádio.




DUTOS DA TRANSPETRO JÁ OPERAM NORMALMENTE .


Foram finalizados os trabalhos de relocação dos dutos da Transpetro, subsidiária da Petrobras, que passam pelo terreno onde a arena é erguida, no bairro de Itaquera, em São Paulo. As duas linhas, uma de 22’ e outra de 24’, que já operam normalmente, foram relocadas para um novo caminho, mais distante da arena, mas dentro do mesmo terreno, de modo a evitar que o avanço das obras do estádio afete as tubulações. Da mesma forma, a linha de fibras óticas que monitora os dutos, correndo paralelamente a eles, já foi transferida para o novo traçado. Todo o sistema foi previamente testado e aprovado pela Transpetro. Também já foram retiradas as tubulações antigas, o que permite à construtora executar serviços na faixa de terreno em que estavam instaladas, inclusive num dos extremos do prédio oeste. Os trabalhos de relocação e de retirada das linhas antigas não afetaram o cronograma das obras, que registram um avanço de mais de 38%, devendo ser concluídas até dezembro de 2013. 


Informações  fornecidas  pela  Construtora Odebrecht  .














quarta-feira, 6 de junho de 2012

O Hezbollah





O Hezbollah tem bandeira própria, sistema de comunicação independente, escolas para alunos de todas as idades, hospitais, creches, uma rede de TV que serve como porta-voz da entidade e até um time de futebol - o Al Ahed, atual campeão. A organização controla ainda a segurança do aeroporto de Beirute, além de possuir polícia, Exército treinado e bem armado, membros no Parlamento, heróis nacionais, política externa independente e, acima de tudo, um território autônomo que pode ser considerado uma espécie de  área dominada .


Já há algum tempo, a organização xiita libanesa tornou-se mais relevante internacionalmente do que o país onde tem sua base. Em qualquer livraria ou jornal do Ocidente ou do Oriente, é mais fácil encontrar a palavra "Hezbollah" do que "Líbano".


A área dominada pelo Hezbollah tem como centro o distrito de Dahieh (vem de al-Dahiya al-Janubiya, que quer dizer "subúrbio do sul"), que em muitas partes ainda é um canteiro de obras de reconstrução, pois teve muitos edifícios bombardeados na guerra de 2006 com Israel.


A  área dominada  engloba a maior parte do sul de Beirute, uma região majoritariamente xiita, e outras cidades e vilas do sul do Líbano, como Khiam, Bint Jbeil e Nabatieh. No Vale do Bekaa, o grupo domina Baalbek, conhecida internacionalmente por suas ruínas romanas. Os principais aliados da organização são a Síria e o Irã, enquanto o Líbano busca estreitar relações com os EUA, França e outros países árabes.


A primeira diferença de Dahieh para as demais partes de Beirute é quem exerce o controle sobre o que as pessoas fazem. Para um jornalista trabalhar no Líbano, basta dizer no aeroporto que é um sahaf (jornalista, em árabe) e, uma vez dentro do país, ir ao Ministério da Informação. Com o passaporte, uma carta de apresentação do jornal, um formulário e duas fotos, o repórter recebe uma credencial que, supostamente, permite a ele trabalhar em todo o país. Mas não em Dahieh.


Para trabalhar na área do grupo xiita, é preciso dirigir-se ao escritório de informação do Hezbollah. Motoristas do centro de Beirute, de preferência xiitas e que estejam acostumados a trabalhar com a imprensa, levam os jornalistas até um prédio comum de Dahieh. Ali dentro, em um dos andares há uma placa amarela (cor do grupo) com os dizeres "Hezbollah Media Office", acompanhado do símbolo da organização.


Funcionários da organização encaminham o jornalista para uma sala com quatro aconchegantes sofás, onde uma TV de plasma fica ligada na Al Manar - a rede de TV do Hezbollah. Em seguida, uma mulher com a cabeça coberta aparece e, em um inglês perfeito, pede para o jornalista preencher um formulário, entregar uma foto e o passaporte para que eles tirem cópia. A funcionária do Hezbollah pergunta ainda qual o tema da reportagem e o que exatamente se pretender fazer em Dahieh.


Diferentemente do que ocorre no Ministério da Informação do Líbano, que dá a credencial imediatamente, o Hezbollah diz que precisa de 48 horas para fazer uma investigação sobre o jornalista e o órgão para o qual trabalha. O repórter do Estado já espera há cinco dias e, mesmo ligando diariamente, sempre ouve a mesma resposta. "Ainda não tomamos uma decisão."


Sem ter a autorização, fica-se proibido pelo Hezbollah de entrevistar moradores e membros do grupo em Dahieh. A única saída é passear pela área como turista. Como em todas as cidades controladas pelo Hezbollah, os postes de Dahieh sempre têm as bandeiras amarelas com o símbolo verde do grupo. Também há fotos do que a organização chama de mártires - militantes que foram mortos por Israel ou que morreram em ações contra israelenses. A maior parte dos edifícios é modesta, mas há alguns prédios luxuosos.


No Líbano, é raro ver uma mulher de burca: elas circulam apenas com a cabeça coberta. E mesmo em Dahieh, jovens usam jeans justos, óculos escuros e cabelos soltos. Na principal avenida, há uma moderna academia de ginástica onde homens e mulheres se vestem com roupas esportivas que seriam consideras comuns no Brasil. Há uma grande quantidade de propagandas da rede de fast-food KFC, que possui uma filial na área e outras no sul do Líbano. A única diferença é que a comida servida no KFC de Dahieh é halal (preparada seguindo as orientações islâmicas).


No meio do bairro há um parque de diversões, também ligado ao Hezbollah. Postos de doação de dinheiro para entidades assistenciais da organização estão espalhados por toda parte. A polícia libanesa não está presente em Dahieh. São os integrantes do grupo que decidem, entre outras coisas, se o motorista pode cruzar determinada avenida ou estacionar o carro. No distrito, os membros do Hezbollah não têm medo de mostrar a cara. Eles andam com um colete cáqui e carregam comunicadores portáteis. No sul do Líbano, eles são mais discretos.


Uma das principais marcas de Dahieh é a rede de TV Al Manar. Sua sede anterior foi destruída por Israel. Mas eles já ocupam um novo prédio, todo de vidro e de arquitetura moderna. A programação vai de novelas a telejornais. Em determinadas horas, é difícil dizer que se trata de um canal do Hezbollah. Mas, nos intervalos comerciais, são comuns hinos contra Israel, além várias imagens louvando o líder do grupo, xeque Hassan Nasrallah, e Imad Mughniyeh, que era o principal comandante militar da organização.

HERÓI NACIONAL

Morto num atentado em Damasco, em fevereiro, Mughniyeh era uma figura quase secreta dentro do Hezbollah até morrer. Quem insistia na existência e no poder de Mughniyeh eram os serviços de inteligência de Israel e dos EUA, que o acusaram de envolvimento em ações como o seqüestro de um avião da TWA nos anos 80. E eles estavam corretos.


Atualmente, o comandante militar do Hezbollah está enterrado em Dahieh, onde seu corpo foi recebido como o de um herói nacional. Um memorial foi aberto para ele em Nabatieh, no sul do Líbano. No local, há uma exibição de tanques israelenses que foram destruídos pelo Hezbollah na guerra de 2006, roupas de soldados israelenses, baterias antiaéreas do grupo e mísseis Katiusha iguais aos que foram lançados contra o norte de Israel.


Diante de um cubo de vidro, onde estão conservadas as roupas que Mughniyeh vestia, seus óculos, sua escova, agenda e todo o escritório que ele tinha em seu esconderijo em Damasco, crianças de menos de 12 anos prestam juramento no qual se comprometem com a resistência contra os israelenses. Depois, assistem a três filmes sobre o herói nacional da  área dominada . Ao final da projeção, as crianças podem comprar bugigangas com imagens de Nasrallah, Mughnyeh e do Hezbollah na loja do memorial. Um guia do local explicou que as crianças estudam em uma escola do grupo. Afinal, o governo libanês não tem condições de dar educação a todos.

Uma reportagem do jornal governista e anti-Hezbollah Now Lebanon, publicado na internet, afirma que o governo libanês tem planos de intervir em Dahieh para combater a criminalidade, que estaria crescendo. Consultada pelo Estado, a professora da Universidade Americana de Beirute Mona Herb, que estuda a região, disse ser improvável que esse tipo de ação ocorra. Quando, em maio, o governo tentou intervir no sistema de comunicações do Hezbollah e acabar com o controle que o grupo tinha sobre o aeroporto, precisou recuar. Membros do grupo tomaram as ruas das áreas sunitas de Beirute, em uma clara demonstração de força. A desocupação só ocorreu dias depois, após acordo.

O Hezbollah não existia quando Israel invadiu o sul do Líbano no fim dos anos 1970 para combater guerrilhas palestinas. Nos anos seguintes, o grupo xiita, ainda sem nome definido, começou a emergir nesta área libanesa. Três motivos levaram à criação do Hezbollah.


1) A Revolução Islâmica no Irã, que decidiu apoiar os xiitas libaneses e treiná-los para lutar na guerra civil e também contra Israel.

 A marginalização dos xiitas na sociedade libanesa, dominada, até os anos 1970, pelos cristãos maronitas e, em menor escala, sunitas e druzos. 3) A ocupação israelense do território libanês.


Ao longo dos anos 1980, o Hezbollah foi acusado de uma série de ataques e sequestros de estrangeiros. O grupo estaria inclusive por trás dos mega atentados contra os marines americanos e a embaixada dos EUA em Beirute – a organização nega envolvimento. Na década seguinte, lutou contra os israelenses e seus aliados cristãos e xiitas (isso mesmo que vocês leram) da milícia denominada Exército do Sul do Líbano.


Diferentemente do Hamas e outros grupos palestinos, o Hezbollah jamais realizou um atentado terrorista suicida em Israel. O grupo é acusado de ter cometido dois ataques em Buenos Aires, contra a Amia e a Embaixada de Israel. Muitos analistas, eu incluído, acreditam que na verdade as ações possam ter sido um acerto de contas da Síria com Menem (que é sírio), com a participação de neonazistas argentinos – há um em cada esquina de Buenos Aires.


No ano 2000, em meio à pressão domestica, Israel desocupou o sul do Líbano, permanecendo nas Fazendas de Shebaa – os israelenses argumentam que o território é sírio. A Síria e o Líbano dizem ser libanês. A ONU inicialmente dizia ser sírio, mas hoje investiga para definir. O certo, apenas, é que não se trata de território israelense.


O Hezbollah, nestas duas décadas de ocupação de Israel, nasceu e cresceu. Mais complicado, o Irã, nos últimos anos, elevou sua influência no Oriente Médio depois de os EUA terem ajudado Teerã ao derrubar Saddam Hussein, maior inimigo da história iraniana, do poder e substituí-lo por um regime próximo dos iranianos. Assim, o grupo libanês passou a receber mais ajuda. Em 2006, provocou Israel ao matar e sequestrar soldados israelenses, provocando uma retaliação que arrasou partes do Líbano, e provocou a morte de dezenas de civis e militares do outro lado da fronteira, inclusive em Haifa.


Hoje, o grupo xiita é aliado de facções cristãs libanesas moderadas, incluindo o líder cristão maronita Michel Aoun e o presidente Michel Suleiman. Além da milícia, possui rede de TV (Al Manar), creches e hospitais. As regras políticas libanesas também garantem aos xiitas (e todas as religiões) cadeiras no Parlamento. Estas acabam divididas entre o Hezbollah, e os seus aliados AMAL. Os xiitas têm direito ainda a determinados ministérios.


Não dá para saber qual o percentual de xiitas no Líbano, pois é proibido realizar censo. Acredita-se que seja pouco mais de um terço, superando os cristãos maronitas como a maior pluralidade do país. A quase totalidade destes xiitas, e muitos cristãos, apóiam o Hezbollah – com fraco suporte entre sunitas e druzos. Eliminar o Hezbollah implica em destruir toda esta parte da sociedade libanesa. Mais fácil seria transformar o Hezbolah. E a única forma seria pressionar o grupo para ser desarmado, integrando suas forças ao Exército libanês. O difícil é fazer isso em um momento em que se fala de guerra em Israel.


Os israelenses contribuiriam bem mais se saíssem das Fazendas de Shebaa, tirando o principal argumento do grupo xiita para carregar armas. Um novo conflito serviria apenas para destruir Beirute e causar grandes estragos até mesmo em Tel Aviv. E qual o objetivo? Uma nova guerra em 2014, como uma Copa do Mundo? Insisto, Israel já ocupou o sul do Líbano por mais de 20 anos e não conseguiu nada. Na época, tinha apoio de parte da população local. Também tentou bombardear o sul do Líbano, em 2006, destruindo quase todas as vilas perto da fronteira. Tampouco deu certo. Uma nova guerra? Não dará certo. O Hezbollah continuará existindo.

O Líbano, depois de ver parte de seu território ser arrasado em uma guerra justamente contra Israel em 2006, aos poucos retorna aos tempos de “Suíça do Oriente Médio”, como era descrito o país até os anos 1970 por seu sólido sistema bancário. O PIB, no ano passado, registrou um crescimento de 8%. E o número não pode ser atribuído ao conflito de quatro anos atrás, já que as perdas daquele ano foram recuperadas no seguinte. Para este ano, a Economist Inteligence Unit prevê uma elevação um pouco menor, de 6%.


Segundo relatório do FMI, “devido a uma rígida supervisão das  finanças, o setor financeiro doméstico do Líbano teve pouca exposição à crise internacional e continua líquido”. Os bancos continuam recebendo remessas de países árabes ricos em petróleo e, acima de tudo, da rica diáspora libanesa, que inclui Carlos Slim – o homem mais rico do mundo, segundo a Forbes, que é filho de libaneses. Estes expatriados, segundo o Banco Mundial, são fundamentais para a economia libanesa. Não apenas pelo envio de dinheiro, como também por suas viagens ao país, aquecendo o turismo.


Atualmente, os libaneses estão na fase de acertar as suas diferenças. Porém há forças externas e internas que não fazem parte deste diálogo e que têm enorme possibilidade de provocar uma nova onda de violência.



Abaixo, seguem as facções existentes no Líbano.


Coalizão governista 14 de Março – Composta pela ampla maioria dos sunitas e conta com o premiê Fuad Siniora. Seu líder é Saad Hariri. Integram a aliança várias facções cristãs, com destaque para as Forças Libanesas, do radical Samir Gaegea. A maior parte dos drusos, sob o comando do líder feudal Walid Jumblat, também faz parte da coalizão. Não há xiitas. O apoio internacional é da França, Estados Unidos e países árabes, em especial a Arábia Saudita. O principal inimigo externo é a Síria.


Oposição, denominada 8 de Março – Quase todos os xiitas, representados pelo Hezbollah e Amal, integram esta aliança. Calcula-se que mais ou menos metade dos cristãos, sob a liderança do populista Michel Aoun, são opositores. Alguns drusos e poucos sunitas também estão neste barco. Os aliados externos são a Síria e o Irã. O principal inimigo é Israel e, em menor escala, a Arábia Saudita.
Agora, seguem algumas curiosidades.


1 – Hoje os sunitas são os principais inimigos da Síria. Porém, até bem pouco tempo, eles eram aliados. Rafik Hariri, o pai de Saad, tinha uma casa em Damasco e rompeu com o regime de Bashar al Assad apenas em 2004, após anos de amizade. Hoje, ele é aliado de Gaegea, a quem deixou na prisão por onze anos. O líder cristão que, na guerra civil, chegou a cercar e tentar matar o druso Jumblat, que senta sem problemas ao seu lado em vários atos no Líbano.


2 – Gaegea era aliado de Israel na guerra civil libanesa, enquanto os seus colegas de coalizão sunitas foram justamente os que permitiram que a OLP tivesse um Estado dentro do Estado no Líbano.


3 – Michel Aoun, o cristão aliado do Hezbollah, passou 15 anos no exílio porque era contra a influência síria no Líbano. Quando voltou ao país, em 2005, graças à saída das tropas de Damasco, ele se aliou justamente ao grupo ligado ao regime de Assad.


4 – A Amal e o Hezbollah, que hoje são amigos, já travaram várias batalhas entre eles no passado. Aliás, os xiitas, que hoje adoram defender os palestinos, já combateram bastante grupos ligados à OLP no passado.


Portanto, não se assustem se, em breve, todas essas alianças se transformarem completamente. Por exemplo, o Hezbollah e os sunitas ensaiam uma aproximação. Os cristãos, que são ultra divididos, iniciaram um diálogo para superar as diferenças. Por outro lado, a Al Qaeda está presente no Líbano e é um novo fator.


terça-feira, 5 de junho de 2012

Diferentes formatos FLV, MP4, 3GP, MP3 , AVI, MKV











Diferentes formatos de vídeo digital   MP4, AVI, MKV? Não conhece as diferenças dos formatos do vídeo? Não se preocupe
.

  


Para aqueles que não conhecem e tem vontade de aprender um poucos mais sobre as Qualidades de Filmes disponiveis na internet, esta disponivel abaixo um tutorial explicando o que significa cada sigla desde CAM até versões NUKADAS …



Você que costuma navegar já deve ter se deparado com diversos programas de conversão de arquivos de vídeos. É provável também que você faça o download deste tipo de mídia em sites de compartilhamento de arquivos, torrent ou simplesmente os baixe no YouTube Em português Ouro No ranking semanal.


Com todos estes meios para se obter vídeos na Internet, de fato é comum encontrarmos diversos formatos de vídeos. Como cada um destes formatos possui suas peculiaridades, são indicados para os mais variados tipos de usuário.


Se você se perde diante de todos os formatos e não sabe qual o mais indicado, segue aqui uma explicação dos formatos de vídeos mais populares do momento. Conheça cada um deles e não se perca mais na hora de baixá-los!


A importância dos Codecs


Para seu computador rodar todos os formatos de vídeo será necessário instalar um pacote de codecs. O CCCP - Combined Community Codec Pack No ranking semanal e o K-Lite Mega Codec Pack No ranking semanal cumprem bem com esta função e possuem todos os codecs necessários. Outra opção é o VLC Media Player Em português No ranking semanal, que roda grande parte dos formatos sem a necessidade da instalação de outros pacotes de codecs.
Os formatos


3GP: formato padrão de gravação e exibição de vídeos nos telefones celulares. Por ser extremamente compactado, permite o uso em aparelhos com capacidade limitada de memória, sendo por isso o mais indicado para os celulares 3G, GSM e TDMA.


FLV: formato encontrado em sites de compartilhamento de vídeos como YouTube, Google Video e MySpace. Originário do Adobe Flash Player Ouro No ranking semanal, sua extensão significa Flash Video. Como também oferece uma compactação alta, mas com qualidade superior ao 3GP, é carregado rapidamente pelos navegadores. Alguns telefones mais atuais já utilizam este formato como padrão.


RMVB: formato criado pela Real Networks e exibido no RealPlayer Em português No ranking semanal ou no Real Alternative. Derivado do RM, o RMVB tem como característica a taxa variável de bits. Isto significa que o vídeo RMVB varia a taxa de dados de acordo com a complexidade da imagem exibida. O arquivo oferece a mesma qualidade do RM, mas por causa da taxa variável, possui menor tamanho final.


Comumente encontrado em sites que disponibilizam filmes e seriados para downloads, o RMVB é menor do que o AVI, porém com qualidade apenas razoável. Apesar do tamanho que agrada os que possuem pouca velocidade de Internet, quem opta por vídeos com uma boa imagem deve evitá-lo.


AVI: um dos formatos mais populares do mundo e criado pela Microsoft, é reconhecido pela maioria das versões do Windows, aparelhos de DVDs e televisões compatíveis com o Codec Divx. Por ser um formato compacto e de boa qualidade, é considerado o MP3 dos vídeos. Se você possui uma boa conexão, mas não deseja perder tempo com vídeos extremamente pesados, fique com ele.


MOV: formato criado pela Apple e compatível com o iTunes Em português Bronze No ranking semanal, iPod Video e iPhone. É necessário ter o QuickTime Ouro, ou o QuickTime Alternative instalado na máquina para conseguir rodá-lo. Como não tem sido mais comum encontrar vídeos MOV para download, está caindo no desuso.


MP4: também compatível com iTunes e gadgets da Apple, mas com a vantagem de possuir maior qualidade. Este formato está se firmando como padrão para a venda e aluguéis de filme em alta definição na Internet.


Apesar de alguns tocadores de mídia possuírem a denominação MP4, eles não possuem compatibilidade com o codec. Por isso, os usuários são obrigados a convertê-los para um vídeo de formato de menor qualidade para conseguir assisti-los.


MKV: formato popular em razão da escolha pela maioria das pessoas que procuram por vídeos em alta definição na Internet. É fácil de encontrar vídeos MKV em torrents ou em sites de compartilhamento de vídeos. O arquivo final é bem grande (um rip de filme em HD possui cerca de 6 GB), mas vale a pena, sobretudo para quem vai assistir em uma televisão de LED, ou LCD. O MKV funciona como um container de vídeo, permitindo conter vários dados, resultantes de diferentes tipos de codecs.






CAM: é um “rip” feito no cinema, normalmente com uma câmera digital. Às vezes é usado um tripé, mas na maioria das vezes isso não é possível, deixando a filmagem tremida. Devido aos lugares disponíveis no cinema também não serem sempre no centro, pode ser filmado com ângulos diferentes. Se cortado (cropped) adequadamente, é difícil diferenciar, a não ser que tenha legendas na tela, mas muitas vezes os CAM são deixados com bordas pretas na parte de cima e de baixo da tela. O som é gravado com o microfone embutido da câmera e, especialmente em comédias, risadas são ouvidas durante o filme. Devido a esses fatores, a qualidade de som e imagem costumam ser muito ruins, mas as vezes, com sorte, o cinema está quase vazio e apenas baixos ruídos serão ouvidos.


TELESYNC (TS):More… tem as mesmas características de um CAM, só que usa uma fonte externa de áudio (normalmente um fone de ouvido na poltrona para pessoas que não ouvem bem). Uma fonte de áudio direto não garante uma boa qualidade de áudio, pois muitos barulhos podem interferir. Muitas vezes um telesync é filmado em um cinema vazio ou da cabine de projeção com uma câmera profissional, gerando uma melhor qualidade de imagem. A qualidade varia muito, por isso veja um sample (amostra) antes de baixar o filme por completo. A maior parte dos Telesyncs são CAMs que foram rotuladas de forma errada.


TELECINE (TC): uma máquina de telecine copia o filme digitalmente dos rolos. O som e a imagem costumam ser muito bons, mas devido ao equipamento e custos envolvidos, os telecine são muito raros. Geralmente o filme estará com o aspect ratio (proporção) correto, apesar de existirem telecine de 4:3 (tela cheia). TC não deve ser confundido com TimeCode , que é um contador visível e fixo durante todo o filme.


SCREENER (SCR): uma fita VHS prévia, enviada para locadoras e vários outros lugares, para uso promocional. Um screener é fornecido de uma fita VHS e normalmente em 4:3 (tela cheia), apesar de alguns screener com faixas pretas já terem sido lançados. A maior desvantagem é um “ticker” (uma mensagem que aparece na parte de baixo da tela com os direitos autorais e um telefone anti-pirataria). Além de que, se a fita tiver algum número de série, ou qualquer outra marca que possa denunciar a origem da fita, esses terão de ser escondidos, normalmente com uma faixa preta em cima. Isso costuma durar apenas uns segundos, mas infelizmente, em alguma cópias, dura o filme inteiro e alguns podem ser bem grandes.


R5: se refere a um formato específico de DVD região 5. Em um esforço para competir com a pirataria, a indústria decidiu criar esse novo formato que é produzido mais rápido e mais barato do que os tradicionais DVDs. O que os difere dos DVDs tradicionais é que os R5 são tranferidos diretamente de um telecine sem qualquer tipo de processamento de imagem, e sem nenhum adicional. Às vezes os DVDs R5 são lançados sem áudio em inglês, exigindo que os grupos de pirataria usem o áudio de outra fonte. Nesse caso o release possui a descrição “.LINE” para distinguir daqueles que possuem o áudio do original. A qualidade da imagem de um R5 geralmente pode ser comparada com um DVD screener. No final de 2006 alguns grupos como o DREAMLIGHT, mSs e PUKKA passaram a nomear seus Releases de “.R5″ e sugeriram a outros grupos que fizessem o mesmo.


DVD-SCREENER (DVDscr): mesmas condições do screener, mas com uma fonte de DVD. Normalmente com letterbox (faixas pretas), mas sem os extras que o DVD final (de venda e/ou aluguel) possa ter. O ticker não costuma ficar nas faixas pretas, e pode atrapalhar a visão. Se o “ripador” tiver o mínimo de conhecimento, um DVDscr deve sair muito bom. Normalmente passado pra SVCD ou DivX/XviD.


DVDRip: uma cópia do lançamento final do DVD. Se possível, é lançado na internet antes mesmo do DVD de venda e/ou aluguel ser lançado. A qualidade deve ser excelente. DVDrips são lançados em SVCD e DivX/XviD.


VHSRip: feitos de VHS de venda e/ou aluguel, sendo a sua maioria os lançamentos de filmes de esportes e de XXX.


TVRip: episódios de TV que são de redes (capturados usando cabos digitais/satélite) ou de “PRE-AIR”, que usam as fontes de satélites que mandam o programa pelas redes com alguns dias de antecedências.


PDTV/HDTV: são capturados de uma TV com cartão PCI DIGITAL, normalmente gerando os melhores resultados. Muitas vezes vemos o rip rotulado como HDTV também, mas as diferenças entre esses dois termos são apenas técnicas. Os grupos costumam lançar em SVCD, apesar de rips em VCD/SVCD/DivX/XviD serem aceitos nos rips de TV.


WORKPRINT (WP): é uma cópia do filme que ainda não foi finalizado. Pode conter cenas faltando, música, e a qualidade pode variar de excelente a muito ruim. Alguns WPs são diferentes da versão final (Homens de Preto está faltando todos os aliens e tem figurantes em seus lugares) e alguns tem cenas extras (Jay and Silent Bob). WPs podem ser boas aquisições para a coleção uma vez que já tenha em mãos a versão final.


DivX Reenc: é um filme que foi retirado do VCD e reencodado num pequeno arquivo DivX. Normalmente são encontrados nos compartilhadores, e são renomeados como Filme.Nome.Grupo(1of2). Grupos famosos são SMR e TMD. Esse formato não vale o download, a menos que você esteja incerto sobre um filme e quer apenas uma versão de 300MB.


Watermarks: muitos filmes vem de Asian Silvers/PDVD (veja abaixo) e esses são marcados pelo pessoal responsável. Usualmente com uma inicial ou um pequeno logo, geralmente num dos cantos. Os mais famosos são as marcas d’água “Z” “A” e “Globe”.


Asian Silvers / PDVD: são produzidos por contrabandistas e são comprados por alguns grupos que vendem como se fossem deles. Silvers são baratos e facilmente encontrados em muitos paíes, e é fácil sair um release, e é o motivo de ter tantos por aí no momento, principalmente de grupos pequenos que não duram mais que alguns lançamentos. PDVDs são a mesma coisa, mas postos num DVD. Eles têm legendas à parte, e a qualidade usualmente é melhor que os silvers. São ripados como um DVD normal, mas são lançados como VCD normalmente.


SVCD: é baseado em MPEG-2 (como no DVD), que permite maiores taxas de variáveis até 2500kbits em uma definição de 480×480 (NTSC), que descomprimida em uma relação de aspecto de 4:3. Devido ao bit-rate variável, o comprimento que você pode ocupar em um único CDR não é fixo, geralmente entre 35-60 min.


VCD: é um formato baseado em MPEG-1, com um bit-rate constante de 1150kbit em uma definição de 352×240 (NTSC). VCD’s são usados geralmente para obter de uma qualidade mais baixa com o objetivo de tamanhos menores. VCD’s e SVCD’s são cronometrados nos minutos e não em MB, assim que ao olhar um, parecer maior do que a capacidade de disco e na realidade pode cabe 74min em um CDR74.


XVCD / XSVCD: estes são basicamente VCD/SVCD melhorados. São ambos capazes de definições e de melhores taxas, muito mas elevadas. Muito difícil de se encontrar.


KVCD: é uma modificação ao padrão MPEG-1 e MPEG-2. Habilita criar CDs de 120 minutos com qualidade perto do DVD em CDs de 80 minutos. Porém já existe especificações que geram vídeos de 528×480 (NTSC) e 528×576 (PAL) e MPEG-1 com bitrate variável entre 64Kbps e 3000Kbps. Usando um resolução 352×240 (NTSC) ou 352×288 (PAL), é possível “encodar” vídeos com até 360 minutos com qualidade perto de um VCD num CD de 80 min.


KDVD: formato de arquivo 100% compatível com MPEG-2, capaz de rodar em qualquer DVD Player Standard. Esta tecnologia habilita 6 horas de filme em Full D-1 720×480 num DVD, ou algo em torno de 10 horas em Half D-1 352×480 no meso DVD.


AVI: Audio Video Interleave. Formato de vídeo mais usado em PCs com o Windows. Ele define como o vídeo e o áudio estão juntos um ao outro, sem especificar um codec.


MPEG: é a abreviação de Motion Picture Expert Group e é a fonte de pesquisa para formatos de vídeo em geral. Este grupo define padrões em vídeo digital, estão entre eles o padrão MPEG1 (usado nos VCDs), o padrão MPEG2 (usado em DVDs e SVCDS), o padrão MPEG4 e vários padrões de áudio – entre eles MP3 e AAC. Arquivos contendo vídeo MPEG-1 ou MPEG-2 podem usar tanto .mpg quanto .mpeg na extensão.


OGM: pode ser usado à uma alternativa ao .avi e pode conter Ogg Vorbis, MP3 e AC3 áudio, todos os formatos de vídeo, informação por capítulos e legendas.


VBR: Bitrate Variável. É possível “encodar” áudio e vídeo com bitrate variável, o que não usa o mesmo bitrate para o arquivo inteiro (como no CBR = Bitrate Constante). Partes mais complicadas do vídeo/áudio vão receber mais bitrate para que a aparência/sonoridade seja melhor, e assim como partes menos complicadas irão receber menos bitrate. Geralmente arquivos com VBR são melhores que outros que contém CBR.


Bitrate: está diretamente ligado à nitidez (qualidade) do filme/música. Quer dizer que em formatos de compressão de áudio e vídeo como MPEG3 e MPEG4, quanto maior for o bitrate mais vezes por segundo o som ou filme original estará sendo reproduzido. O bitrate pode variar, sendo que taxas mais altas de bitrate criam som/vídeo de melhor qualidade.


Aspect Ratio Tags:


WS – Widescreen (letterbox)
FS – Fullscreen


Codec: é a abreviação de COder/DECoder ou codificador/decodificador. Equipamento ou programa que converte os sinais analógicos de som, voz e vídeo em sinais digitais e vice-versa. São exemplos de codecs: DivX, XviD (video) e MP3/AC3 (som).


DivX / XviD: dois codecs de última geração sendo o DivX mais antigo. Estão baseados no formato de compressco MPEG-4, compressão de vídeo de alta qualidade. Alguns chamam o MPEG-4 de “MP3 do vídeo”. Com os arquivos em DivX você poderá assistir os filmes com qualidade de DVD som de CD, no seu PC. XVid já possui uma tecnologia melhor que o DivX, portanto necessita de PCs mais potentes para rodar. XViD é melhor que o DivX.


NTSC / PAL: são os dois padrões principais usados através do mundo. NTSC tem um frame mais elevado do que o PAL (29fps comparado a 25fps), mas o PAL tem um definião de melhor qualidade. Os dois tipo de padrões podem ter variações, sendo que no Brasil usa-se o padrão PAL-M e nos EUA o NTSC, para TVs, vídeos-cassete, DVDs.


AC3: codec de áudio conhecido como Audio Coding 3, é melhor que o Mp3 e é sinônimo para o Dolby Digital hoje em dia. Utilizado em alguns filmes com mais de 2 CDs, devido ao seu tamanho maior.


AAC: Advanced Audio Coding, será o sucessor do AC3. É baseado no AC3, mas acrescenta uma variedade de melhorias em diversas áreas. Atualmente é difícil encontrar um player ou hardware que suportem esse novo formato de áudio.


BIN / CUE: são dois arquivos pertencentes à uma imagem de CD-R/RW ou DVD. Alguns releases de SVCD E VCD são lançados nas imagens dos próprios CDs. Para abri-lo você pode usar tanto o Daemons tools (note que não nescessita da Cue para fazê-lo se você alterar para mostrar todos os arquivos, ele abrirá o BIN) ou queimá-lo com o Nero ou CDRWin. Aconselha-se o CDRWin, por ser o programa que cria esse tipo de imagem.


Expressões encontradas:


PROPER: devido aos critérios, quem lançar o primeiro Telesync ganhou a corrida (por exemplo!). Mas se a qualidade desse release for ruim, devido alguns problemas na imagem ou som, e outro grupo tem outro telesync (ou a mesma fonte, mas em melhor qualidade) então a expressão PROPER é adicionada para evitar equívocos. PROPER é a expressão mais subjetiva encontrada, e as pessoas geralmente pergutam se o PROPER é melhor que a versão original. Muitos grupos lançam o PROPER em atos de desespero, para não perder a corrida. Um motivo para o PROPER deve ser sempre incluso no .NFO.


UNRATED: versão sem cortes(Normalmente os vídeos são editados para conseguir um classificação etária mais ampla nos cinemas, já em DVD são lançados completos).


LIMITED: um filme limited significa que ele tem um número de exposições em cinemas limitados, normalmente estreando em menos de 250 cinemas. Geralmente filmes pequenos (como filmes de arte) são lançados nesse estilo.


INTERNAL: um release interno é feito por vários motivos. Grupos clássicos de DVD fazem muito isso, visto que eles não serão trapaceados. Também rips de má qualidade são feitos nesse estilo, para não baixar a reputação do grupo, ou devido ao grande número já existente do filme. Um lançamento interno é disponibilizado normalmente em sites afiliados ao grupo, mas eles não podem ser trocados com outros sites sem a devida permissão. Alguns INTERNALs ainda correm pelo IRC/Newsgroup, dependendo da popularidade. Há alguns anos, o grupo Centropy começou a lançar releases internos, mas num sentido diferente do INTERNAL, isto é, lançava somente para membros do grupo e não o disponibilizavam.


STV:Straight To Video. Filmes ripados de DVD que nunca foram para o cinema, caíram direto para as locadoras e TVs.


REPACK/RERIP: se um grupo lança um rip ruim, eles irão re-lançá-lo, o qual virá com os problemas corrigidos.


NUKED: um rip pode ser “NUKADA”, banida por diversas razões. Se o grupo lançar como TeleSyncs, por exemplo, e não tem nada de “TeleSyncs”, ou o filme tem uma diferença na qualidade do áudio, outro exemplo, a partir de X minutos de filme. Então o nuke global ocorrerá e o grupo perderá seus créditos. Verifique sempre antes os releases para não pegar algo que foi banido, por má qualidade por exemplo. Se um grupo perceber que há algo errado com uma versão, eles podem requisitar um nuke.


Razões para o NUKE:


BAD A/R - Relação de aspecto, distorção do filme. Personagens aparecem muito largos ou finos.
BAD IVTC – Processo de inversão telecine, conversão de framerates está incorreto.
BAD FPS – Não segue o padrão de quadros por segundo vigente.
INTERLACED – Linhas pretas no movimento como a ordem do campo estão incorretas.


DUPE: duplicada, já foi feito lançamento deste filme anteriormente. Dupe é bem simples, se algo já existe, então não há razão para ele ser lançado de novo sem uma razão séria.