quinta-feira, 23 de junho de 2011

A bomba nuclear do Irã .


Liderança do Irã é não se intimida com as sanções impostas ao país e parece desimpedido pelo dano o worm de computador Stuxnet causados ​​às centrífugas na unidade de enriquecimento de urânio em Natanz.
A procissão de carros com Fereidoun Abbasi Davani acelerou para baixo Wagramer Viena Strasse nesta segunda-feira e no parque de estacionamento subterrâneo da Agência Internacional de Energia Atômica. Fora do edifício, na margem do rio Danúbio, a cerca de 30 manifestantes do movimento Stop the Bomb manifestando, acenando sinais denunciando o cientista nuclear iraniano. Mas os oficiais de segurança iranianos pareciam mais preocupados com a perspectiva de alguém que tenta explorar a visita controversa Abbasi Davani para terminar o trabalho.

Em 29 de novembro de 2010, pistoleiros anônimos tentaram  assassinar Abbasi Davani quando ele saiu de sua casa, em Teerã. Ele e sua esposa, sentada ao lado dele no carro, foram atingidos por tiros, mas sobreviveu à tentativa de assassinato. O Irã culpou o Mossad pela operação que falhou.
Os assassinos foram mais bem sucedido em um ataque diferente, lançado naquele mesmo dia, que matou outro cientista nuclear - Majid Shahriari.

Os iranianos afirmaram que Abbasi Davani nada mais era que um professor de física inocente. Fontes da inteligência disseram que sua posição na universidade era apenas um disfarce para suas atividades secretas, como um dos principais especialistas em armamento do Irã, que está trabalhando na fase final e decisiva do desenvolvimento de uma arma nuclear sob os auspícios da Guarda Revolucionária. Seu nome aparece na lista negra da ONU Conselho de Segurança, compilados depois que o Conselho de Segurança votou em março de 2007 para impor sanções a empresas, organizações e indivíduos envolvidos em programas nucleares e de  mísseis balísticos do Irã . Ele também aparece em listas semelhantes compilados pelos Estados Unidos e da União Europeia, que ordenou que os seus bens fossem congelados.

Cerca de dois meses após Abbasi Davani ser baleado, em janeiro de 2011, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad nomeou como seu vice-presidente e como chefe da Organização iraniana de Energia Atômica, um movimento rebelde que parecia dizer o Irã continuará seu programa nuclear e ninguém podera  parar -lo.

Cerca de duas semanas antes de sua chegada a Viena para participar na Conferência Ministerial da AIEA sobre a Segurança Nuclear, Abbasi Davani anunciou que até o final do ano, o Irã vai triplicar a quantidade de urânio que tem enriquecido a um nível de 20 por cento. Apesar de urânio enriquecido a este nível é destinado principalmente para uso como combustível do reator de Teerã,uma pequena pesquisa nuclear, que produz isótopos médicos, mas também reforça o conhecimento de iranianos especialistas nucleares e sua capacidade de controlar todas as etapas de enriquecimento - incluindo a um nível de 93%, o que permite a produção de material físsil usado para fazer uma arma nuclear.

Este anúncio pelo chefe da Organização de Energia Atômica do Irã foi muito perturbador para Israel, Estados Unidos e outros países ocidentais. Ela indica que o Irã está determinado a prosseguir o seu programa nuclear em alta velocidade e é até acelerar o ritmo. Significa que as lideranças  do Irã   não se intimidam com as sanções impostas ao país, ou pelo dano o worm de computador Stuxnet causados ​​ao programa que opera as centrífugas na unidade de enriquecimento de urânio em Natanz. O worm Stuxnet tem sido atribuída a uma operação de sabotagem realizada pelo Mossad e da CIA. De acordo com fontes externas, é uma das principais realizações do ex-chefe do Mossad, Meir Dagan.

No mesmo anúncio, Abbasi Davani disse que o Irã desenvolveu um modelo de centrífuga avançada onde os  rotores giram em maior velocidade, permitindo assim o enriquecimento de uma grande quantidade de urânio em um curto tempo. Centrífugas tais, disse ele, serão construídas no local  de enriquecimento de urânio que o Irã construiu secretamente perto da base da Guarda Revolucionária do lado de fora de Qom.

De acordo com os relatórios dos inspectores da AIEA, que visitou, o local, construído dentro de uma montanha, parece uma instalação fortificada feito para suportar bombardeios aéreos. Sua existência foi revelada em setembro de 2009 graças a informações obtidas pelas agências de inteligência de Israel, os EUA ea Grã-Bretanha. De acordo com ambas as fontes diplomáticas em Viena e especialistas em inteligência, o local de Qom, que contém apenas 3.000 centrífugas, pode ter apenas um objetivo - o enriquecimento de urânio para a produção de uma arma nuclear.

Duas novas questões cruciais estão agora procupando todos aqueles que seguem o programa nuclear iraniano. Uma é se Qom foi escolhido como um local para o enriquecimento de urânio, devido apenas à sua localização estratégica, ou se algum significado deve ser anexado ao fato de que os xiitas consideram uma cidade santa, o lugar de residência do aiatolá Khomeini, fundador da República Islâmica.

Ahmadinejad e vários de seus ministros, assim como altos comandantes na Guarda Revolucionária, pertencem a um grupo pequeno, mas influente no governo iraniano que adere a uma crença mística na vinda do Mahdi - o Décimo Segundo, ou escondido, Imam - que é considerado o Messias xiita. Uma das condições para a vinda do Mahdi é que uma grande parte da população do mundo seja  aniquilada em uma grande guerra.

Esta doutrina xiita radical tem paralelos na idéia da guerra de Gog e Magog na escatologia cristã, que está profetizado para acontecer no Vale de Jezreel não muito longe de Tel Megiddo (Armagedon na tradução grega). É o local no Armageddon Ahmadinejad Qom, onde uma arma será desenvolvido que irá aniquilar os incrédulos e apressar a vinda do Messias?

Outro motivo de preocupação é um artigo publicado há dois meses em um website da Guarda Revolucionária. Nele, pela primeira vez, o autor falou sobre "o dia depois de" O Irã realiza-ra um teste nuclear bem sucedido que transformá-lo em uma potência nuclear. Anteriormente, funcionários do governo iraniano sempre manteve rigoroso silêncio sobre este assunto. Foi o artigo de um acaso, o resultado de negligência por censores desatento, ou foi escrito para preparar a opinião pública, tanto em casa como no exterior?

É difícil para um racionalista ocidental a aceitar a possibilidade, mesmo que a sua probabilidade é desprezível, de que o Irã é motivado pela crença religiosa na sua determinação em obter uma arma nuclear, e pode até mesmo usar uma arma por motivos religiosos. Afinal, além de problemas domésticos de Ahmadinejad, incluindo as chamadas no parlamento para sua destituição, aquele que decide sobre sensíveis questões estratégicas como a nuclear no Irã não é o presidente, mas o líder supremo Ali Khamenei, que não é conhecido por ter qualquer inclinações  messiânicas  .

Mas a soma de todos estes desenvolvimentos - a nomeação de Abbasi Davani, seu anúncios sobre a aceleração de enriquecimento e sua transferência para Qom, o artigo incomum - todos estes, especialmente à luz das revoluções árabes que têm desviado a atenção do mundo  de Teerã , pode indicar que o Irã está mais perto de chegar a uma decisão do que os especialistas pensavam. Isso também pode ser o pano de fundo para as advertências outspoken por Dagan, que teme uma decisão apressada e irresponsável pelos principais ministros da Defesa   para ordenar a Força Aérea de Israel para atacar o Irã.

Encerrando  uma ultima noticia .

Os cinco cientistas russos especialistas em armas nucleares mortos em um acidente de avião no norte da Rússia no início desta semana tinham participado no projeto de uma instalação atômica iraniana, segundo o que fontes de segurança da Rússia informaram na quinta-feira. Nenhuma investigação oficial do jogo sujo foi aberta, apesar de especialistas nucleares iranianas, no passado estiveram envolvidos em acidentes semelhantes.
Os cinco especialistas russos estavam entre os 44 passageiros mortos quando o avião Tupolev-134 rompeu-se e pegou fogo ao pousar fora da cidade de Petrozavodsk na segunda-feira.
Os especialistas - entre os quais  designers Sergei Rizhov, Gennadi Benyok, Nicolai Tronov e top nuclear da Rússia peritos em tecnologia, Andrei Tropinov - trabalhou em Bushehr após o contrato para a construção da planta aprovada da empresa alemã Siemens .

Os cinco foram empregados na fábrica Hydropress, um membro da empresa estatal da Rússia nuclear, e uma das principais empresas do contrato para a construção de Bushehr.

As fontes disseram que a morte dos cientistas é um grande golpe para a indústria nuclear russa.

Os especialistas foram encarregados de completar a construção da planta e garantindo que ele seria capaz de sobreviver a um terremoto.

Segundo as fontes, embora cientistas nucleares iranianos no passado estiveram envolvidos em acidentes de avião  inexplicáveis ​​e , não há suspeita oficial do jogo sujo. Os investigadores estão investigando o erro humano e falha técnica como as causas do acidente.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Hezbollah , sentenças de morte para traidores/espiões.


Segundo as fontes libanesas, mais de 10 membros do Hezbollah, entre eles figuras de alto escalão, foram detidos ao longo dos últimos dias por colaborar com Israel. Mohammad Atwi do distrito de Nabatiyeh no sul do Líbano, que era responsável pela segurança dentro do partido e coordenar as atividades com o Irã e a Síria, é um dos altos funcionários do Hezbollah  preso a este respeito.

Um clérigo também é relatado por estar entre os suspeitos espiões de Israel. "Um grupo de membros do Hezbollah foram detidos nos últimos dias por colaborar com Israel, "uma fonte anônima do Hezbollah no Líbano , mas se recusou a revelar o número das pessoas detidas ou a sua posição no partido.

O movimento de resistência libanesa diz que os detidos estão sendo interrogados, acrescentando que alguns confessaram espionar para Mossad, enquanto outros negam as acusações. Hezbollah diz que descobriu a célula de espionagem três meses atrás, depois de informações cruciais sobre o movimento foi passada para Israel.

Várias figuras libaneses, incluindo membros do exército, política e negócios, foram presos nos últimos dois anos sob a acusação de espionar para Israel. Tel Aviv lançou uma guerra de inteligência contra o Hezbollah após a sua derrota durante a guerra de 33 dias contra o movimento de resistência libanesa em 2006.

Se condenados, os espiões vão enfrentar penas de prisão perpétua com trabalhos forçados . Devem ser considerados culpados de contribuir para a perda de vidas libanesa, os traidores  poderâo enfrentar a pena capital.

O presidente libanês, Michel Sleiman, pediu punição severa para os espiões de Israel, dizendo que ele iria assinar sentenças de morte proferidas pelo tribunal.



Grupo militante Hezbollah no Líbano está se preparando para uma possível guerra com Israel para aliviar a pressão ocidental percebida para derrubar o presidente sírio, Bashar Assad, o seu aliado ,dizem fontes próximas ao movimento .

O grupo radical xiita, que tem uma poderosa milícia armada pela Siria  e Irã, está observando a agitação na vizinha Síria, com alarme e está determinado a impedir  o Ocidente de explorar protestos populares para derrubar Assad.
Hezbollah apoia os movimentos pró-democracia que derrubou líderes  apoiado pelo Ocidente  na Tunísia e no Egito, mas o  Hezbollah diz que não vai ficar de braços cruzados enquanto aumenta a pressão internacional sobre Assad para que ceda aos manifestantes.

A liderança do Hezbollah está empenhada em fazer o que for preciso para ajudar a desviar politicamente o que considera ser uma campanha no exterior contra Damasco, mas também é preparando para uma possível guerra com Israel, se Assad for enfraquecido.

"O Hezbollah não irá intervir na Síria. Esta é uma questão interna para o presidente Bashar para enfrentar. Mas quando se vê o Ocidente  preparar-se para derrubá-lo, não vamos apenas assistir," comentou um  oficial libanês sobre o  pensamento do grupo.

"Esta é uma batalha pela sobrevivência para o grupo e é hora de retribuir o favor (de apoio da Síria). .

O grupo militante, criado há quase 30 anos para enfrentar a ocupação israelense do sul do Líbano, lutaram uma guerra de 34 dias inconclusivos com Israel em 2006.

Hezbollah e a Síria negaram que o grupo enviou combatentes para apoiar uma ofensiva militar sobre a onda de protestos contra o regime de Assad.

Hezbollah acredita que o ocidente está trabalhando para remodelar o Oriente Médio, substituindo Assad  por alguem docil ao ocidente e a   Israel .
"A região agora está em guerra, uma guerra entre o que é bom e o que é apoiado por Washington ... A Síria é o bem", disse um  oficial Líbanes .

Ele disse que os Estados Unidos, que perdeu um aliado quando o presidente egípcio, Hosni Mubarak foi derrubado em fevereiro ", quer se favorecer com  a crise", apoiando os protestos contra seus adversários.

"Para nós, isso vai ser confronto  da melhor maneira possível", disse ele, falando sob condição de anonimato.

Analistas descartam a possibilidade de uma guerra em grande escala regional envolvendo a Síria, Irã e Líbano em um lado contra Israel apoiados por os EUA . A guerra do Hezbollah contra Israel seria  mais provável, disseram.

"Pode haver guerras limitadas aqui ou ali, mas ninguém tem o interesse (em uma guerra regional)", disse o analista libanês Oussama Safa. "A região caminha, naturalmente, em direção a uma mudança radical ...  e onde ela vai levar não é clara."

Hezbollah infligiu graves danos e vítimas, disparando mísseis profundamente em Israel durante o conflito de 2006, e foi capaz de sustentar semanas de ataques de foguetes, apesar de uma grande incursão israelense militar para o Líbano.

Fontes de inteligência ocidentais dizem que o arsenal do movimento tem sido mais do que reabastecido desde que a luta terminou, com as forças de paz da ONU no sul do Líbano  mostrando-se impotentes para impedir os suprimentos de entrar na maior parte proveniente da Síria.

Síria, que faz fronteira com Israel, Líbano, Iraque, Turquia e Jordânia, tem influência regional por causa de sua aliança com o Irã e seu papel continuou no Líbano, apesar de terminar uma presença militar de 29 anos em 2005. Ela também tem uma influência no Iraque.

"Se a situação na Síria desmoronar terá repercussões que vão além da Síria", disse o oficial árabe  . "Nenhum dos aliados da Síria aceitaria a queda da Síria, mesmo que leve a virar a mesa de cabeça para baixo - a guerra (com Israel) poderia ser uma das opções."

O libanês disse: "Todas as opções estão abertas, incluindo a abertura das frentes de Golan (Heights) e no sul do Líbano."

Protestos palestinos no mês passado, estavam na linha de frente libaneses e sírios "uma mensagem de que a Síria não será deixada sozinha como vitima   para uma campanha israelense-americano".

Israel e Síria estão tecnicamente em guerra, mas sua fronteira foi calma desde a guerra em 1973, quando Israel repeliu um ataque da Síria para recapturar  Golã ocupado por Israel.

Para os aliados da Síria no Líbano, o primeiro passo para apoiar Damasco já foi tomada. Depois de meses de atraso, o primeiro-ministro Najib Mikati formou um novo governo libanês na semana passada, dominado por partidos pró-Síria, incluindo o Hezbollah.

Que se seguiram cinco meses de vazio político depois que o Hezbollah e seus aliados derrubaram coalizão pró-ocidental Saad Hariri, em uma disputa por um tribunal apoiado pela ONU para  investigar o assassinato em 2005 de estadista Rafik Hariri, pai de Saad.

O tribunal deverá acusar os membros do grupo xiita no assassinato, e alguns libaneses acreditam que o atraso na formação de um governo foi deliberado, para evitar a crise de um novo governo que  poderia enfrentar   acusações   .

A acusação ainda confidencial foi alterado no mês passado depois que o promotor disse que "surgiram novas provas", mas a Síria e seus aliados suspeitam que agora alvo será   autoridades sírias. Síria e Hezbollah negam qualquer participação no assassinato de Hariri.

"O governo na sua nova formação não vai permitir que o Líbano seja usado contra a Síria, por aqueles que estão promovendo a agenda americana em detrimento da Síria".

Tensão no Líbano aumentou nas primeiras semanas do levante contra Assad quando a Síria acusou simpatizantes pro Hariri de financiar  armamento para os manifestantes , uma acusação que eles negaram.

"Como a Síria ficou ao lado do Líbano durante a guerra de julho de 2006 (entre o Hezbollah e Israel), Líbano estará do seu lado para enfrentar essa guerra que não é menos perigosa", disse o oficial.

Até agora, os aliados da Síria acreditam que Assad tem as coisas sob controle e que a agitação, em que grupos de direitos humanos dizem que 1.300 pessoas foram mortas, não representava uma ameaça em seu governo.

Enquanto o destino do Hezbollah não está ligado exclusivamente ao futuro Assad, sua saída iria tornar a vida mais difícil para o grupo, que depende das fronteiras da Síria para o fornecimento de armas.

"A Síria é como o pulmão para o Hezbollah ... é a linha de frente  onde fica a suas armas e outras coisas", disse outro oficial libanês que não quis ser identificado.

Formado sob a orientação do establishment religioso do Irã, o Hezbollah teve um início difícil com falecido presidente Hafez Assad, mas mais tarde surgiu como um poderoso aliado da Síria. Melhoria das relações foi  ainda maior depois que  Bashar sucedeu seu pai em 2000.

"O Hezbollah é extremamente tenso e eles estão preocupados com os acontecimentos na Síria", disse Hilal Khashan, analista político da Universidade Americana de Beirute.

Enquanto ele descartou a possibilidade de uma guerra regional, Augustus Richard Norton, autor de um livro sobre o Hizbollah, disse que  uma guerra israelense no Líbano pode ser possível, acrescentando que Israel acreditava que era provável um primeiro ataque do Hezbollah .

"Não é muito difícil de imaginar um cenário para uma guerra entre Israel e o Líbano   entrar em erupção, especialmente tendo em conta abordagem tímida e permissiva do governo Obama para Israel.

"É muito mais provável que Israel vá prosseguir   tendo como objetivo   incapacitar o  Hezbollah  e punir o Líbano do que uma guerra  intencionalmente provocada pelo Hezbollah", disse ele.

Enquanto isso o Hezbollah, que tem elogiado outras revoltas árabes e goza de forte apoio entre os árabes comuns sobre seus confrontos com Israel, viu sua imagem manchada por causa de seu apoio a Assad.

"Os eventos na Síria não têm impactado o Hezbollah em um sentido estratégico significativo, mas certamente colocara o partido em uma posição desconfortável", disse Elias Muhanna, um estudioso do Oriente Médio na Universidade de Harvard.

"O fato de que (o líder do Hezbollah Hassan) Nasrallah ter apoiado a guerra do regime contra a oposição na Síria, enquanto ataca ações  similares da Tunísia, Líbia, Egito, Bahrein e Iêmen tem sido apontado por muitos como um padrão flagrante de incoerencia e contradição."

Hezbollah afirma que não há contradição em sua posição, dizendo que Assad tem apoio popular e é comprometido com a reforma.

"Quando o regime é contra Israel e está empenhado em reformas, em seguida, decisão Hezbollah deve ser estar ao lado do povo e da liderança  instando-os para o diálogo e parceria", disse o oficial libanes.

"É por isso que o grupo está em harmonia consigo mesmo quando se trata da Síria. Ele tem suas normas claras", acrescentou.

"Para a resistência e o Irã, a parceria com a Síria é uma questão principal e crucial,  de  compromisso. Cada vez que a Síria for o  alvo haverá uma resposta."

Senha segura , como fazer.

Para os apaixonados por criptografia e história: o Enigma Simulator tenta emular o melhor possível a máquina Enigma, utilizada pelos nazistas para criptografar mensagens durante a 2ª Guerra Mundial.





Para uma Senha segura, pense em dez  caracteres . Se a sua senha tiver dez caracteres, você terá condições de dormir bem à noite --talvez por 19,24 anos.
Esse é o tempo que um hacker levaria para testar todas as combinações de dez caracteres, assumindo que a senha esteja criptografada e que o hacker tenha poderio computacional suficiente para organizar 100 bilhões de combinações por segundo e quebrar a codificação.
Mas, se os seus nomes de usuário e as suas senhas aparecerem em um servidor sem estar criptografado, talvez você não durma nem por um instante, pensando nos efeitos potencialmente devastadores à sua espera.
A partir da instrução de seus clientes, a LastPass armazena nomes de usuário e senhas em seu servidor quando um site é visitado e, em uma próxima visita, preenche todos os formulários automaticamente.
No mês passado, a LastPass afirmou ter notado um comportamento estranho nos registros do tráfego em sua rede e que poderia ter sofrido uma invasão on-line.
 Mas  consultores em segurança que consideram o modelo de segurança da LastPass muito bem elaborado.
A empresa não armazena senhas reais, somente as criptografadas. O serviço não possui a senha para decodificá-las --somente seus usuários a tem. Ela nem sequer armazena a senha LastPass mestre, usada para gerar acesso a todas as outras senhas, que também é criptografada antes de ser enviada à nuvem.
A LastPass tem uma possível vulnerabilidade que Joe Siegrist, seu diretor-executivo, não faz esforço para esconder: o serviço depende de o usuário escolher uma senha mestre difícil e inexistente em qualquer língua.
Se a LastPass ou qualquer outra empresa que armazenou senhas em formato criptografado sofresse um ataque, o risco seria o de ladrões partirem para a força bruta, sem pressa e off-line, tentando todas as combinações possíveis de caracteres. Eles precisariam ter expectativa de vida quase infinitas para esgotar as possibilidades.
Computadores, porém, trabalham em outra velocidade.
COMBINAÇÕES
Eis aqui um teste: qual é a senha mais difícil? "PrXyc.N54" ou "D0g!!!!!!!"?
A primeira, com nove caracteres, é muito boa.  Digo que um hacker levaria 2,43 meses para testar off-line todas as combinações envolvendo os nove caracteres, a uma razão de 100 bilhões de conjecturas por segundo. No entanto, a segunda possui dez caracteres. E esse caractere extra torna a senha bem mais difícil. O teste, a uma razão de 100 bilhões de conjeturas por segundo, levaria 19,24 anos.
Hackers adorariam colocar as mãos em uma coleção completa de todas as suas senhas, como as guardadas pela LastPass, um serviço de gerenciamento de senhas.
Não se preocupe com a aparente semelhança do "D0g", com um zero no meio. Isso não faz sentido, "pois o invasor é totalmente incapaz de perceber tais semelhanças".
Afirmo que, se a senha não fizer parte de uma lista de senhas comumente usadas e não constar em dicionários, o fator mais importante nela é o comprimento.
Paul C. Van Oorschot, professor de ciências da computação na Universidade Carleton, em Ottawa, tem uma visão cética. "Eu acredito que qualquer sistema irá falhar", afirmou ele. Consequentemente, "não uso um gerenciador de senhas. Escrevo minhas senhas em um papel".
Mesmo isso não lhe oferece tranquilidade: ele não possui conta bancária on-line por causa de sua preocupação em sofrer um ataque hacker.
Uma alternativa a esse risco é usar senhas difíceis, caracteres sem sentido, somando pelo menos dez deles. Claro, é imperativo que os sites armazenem sua senha de forma criptografada.

Resumindo :

sempre escolher uma senha mestre difícil e inexistente em qualquer língua o fator mais importante nela é o comprimento ,  invente uma palavra e adicione numeros no meio dela e de preferencia que some mais de dez digitos , ex:repei08cym06a1975karo .


A força de uma senha é a medida da capacidade de uma senha para suportar o ataque de força bruta . Na sua forma atual, considera o número médio de tentativas necessárias para um atacante sem acesso direto à senha para descobrir. A força de uma senha é uma função do comprimento, complexidade e aleatoriedade da senha .
No entanto, outros tipos de ataque pode ser bem sucedido sem recorrer a busca sistemática bruta de todas as senhas. Por exemplo, o conhecimento do usuário permite a dedução de possíveis senhas (nomes de crianças, animais etc) .. A estimativa da força também deve levar em conta a resistência a outros tipos de ataques.
As senhas foram criadas com o intuito de proteger algo que queiramos esconder, ou impedir o acesso não autorizado a um arquivo, pasta ou sistema. Já a criptografia foi criada para proteger essas senhas e também arquivos, pastas e sistemas, de forma que os mesmos se tornem ilegíveis, evitando então que uma pessoa não autorizada leia o conteúdo de um arquivo ou acesse um sistema.
Uma frase “nada é 100% seguro“, as senhas e a criptografia é um bom exemplo disso, o que foi criado para nos passar segurança, não é tão seguro assim, isso pode até soar estranho, mas é a realidade.
Existem várias formas de quebrar uma senha e uma criptografia, praticamente todas consistem em tentativa e erro, ou seja, quando você tenta uma senha, da errado, tenta outra, da errado, tenta outra, da errado, e assim por diante, até que você digite a senha correta e tenha acesso. Para isso, podemos criar essas senhas de duas formas, através de um dicionário com várias senhas, ou através de força bruta, tentando combinar letras, números e símbolos, de A a Z de 0 a 9 de “ a +.
O problema é que quanto mais difícil for a senha, mais difícil será quebra-la e como criar e tentar várias senhas da muito trabalho, existem programas automatizados que conseguem fazer um ataque do tipo wordlist (dicionário) e/ou força bruta, esses programas são simples em questão de interface, porém são muito potentes e dependendo do tipo de senha e tamanho, pode ser que eles consigam quebra-la em no máximo 1 hora.
Dentre os programas de força bruta voltados para protocolos web, tem dois que são bem conhecidos e que eu recomendo a todos, são eles: Hydra e Brutus. Ambos conseguem quebrar senhas dos protocolos: FTP, HTTP, IMAP, POP3, SMTP, Telnet, dentre outros protocolos.
O Hydra e o Brutus são programas voltados para quebra de senhas web, mas quando estamos falando de arquivos como word, rar, pdf, zip, etc, devemos recorrer a outros programas como o: Advanced zip password, Advanced rar password, Advanced pdf password, dentre outros.
Em questão a quebra de senha dos sistemas operacionais, especificamente Windows, eu recomendo o mini sistema: OPHCRACK.
Como vocês puderam ver, existem programas que quebram os mais diversos tipos de senhas, por isso tome sempre cuidado ao escolher suas senhas, opte sempre por misturas de letras, números e símbolos, além de tomar cuidado também com a segurança do seu computador.

Mensagem de Anonymous ao Brasil . Acorda Brasil,





Não importa a cor da sua pele, origem ou crenças, nós convidamos você a se juntar a nós em nossa luta .

A Presidência da República reconheceu ter sofrido uma tentativa de ataque de hackers na madrugada desta quarta-feira.

Em nota oficial divulgada hoje, a Secretaria de Imprensa da Presidência disse que o Serpro (Serviço de Processamento de Dados) detectou um ataque de robôs eletrônicos entre 0h30 e 3h aos sites da Presidência da República, Portal Brasil e Receita Federal.

O Serpro diz que o ataque foi contido e que as informações destes sites estão preservadas. Os sites ficaram indisponíveis por cerca de uma hora.

ATAQUE

No início desta madrugada, um grupo de hackers chamado LulzSecBrazil afirmou ter tirado do ar os sites da Presidência da República e do governo federal.

O anúncio da ação foi divulgado pelo próprio grupo em seu perfil no Twitter. Por volta das 2h o acesso a ambos os sites era instável.

O LulzSec, grupo internacional de hackers ativistas que atacou uma longa lista de sites governamentais e corporativos nos últimos meses, comemorou a ação dos parceiros brasileiros em sua conta no Twitter. "Nossa unidade brasileira está fazendo progresso. Bom trabalho @LulzSecBrazil, irmãos!".
"É hora de mostrar a governos corruptos do mundo que eles não têm direito de censurar o que não possui. Não importa a cor da sua pele, origem ou crenças, nós convidamos você a se juntar a nós em nossa luta contra a censura e os governos corruptos".

Acessem: http://www.whatis-theplan.org/
http://youranonnews.tumblr.com/
http://lulzsecurity.com.br/
http://LulzSecurity.com/
http://www.mithral.com/~beberg/manifesto.html
http://www.youtube.com/user/thejuicemedia
http://wikileaks.ch/

@LulzSecBrazil
@LulzSec
@BrazilAnon
@YourAnonNews
@AnonOps

Olá Povo Brasileiro, permitam-me introduzir-me a vocês como Anônimo. E apenas como Anônimo, pois não sou mais do que uma ideia, uma ideia de um mundo livre, sem opressão e pobreza e que não é comandada pela voz tirânica de um pequeno grupo de pessoas no poder. Um mundo onde o verdadeiro propósito e prioridade é viver em liberdade sem ser restringido por regimes corruptos e governados apenas pela sede de lucro e poder. Talvez você ja tenha ouvido falar de mim.
O Anonymous gostaria de lembrá-los que o governo e o povo são, ao contrário do que dizem os supostos fundamentos da 'democracia', entidades distintas com objetivos e desejos conflitantes, às vezes. A posição do Anonymous é a de que, quando há um conflito de interesses entre o governo e as pessoas, é a vontade do povo que deve prevalecer. A única ameaça que a transparência oferece aos governos é a ameaça da capacidade de os governos agirem de uma forma que as pessoas discordariam, sem ter que arcar com as consequências democráticas e a responsabilização por tal comportamento.
Quando um governo é eleito, ele se diz 'representante' da nação que governa. Isso significa, essencialmente, que as ações de um governo não são as ações das pessoas do governo, mas que são ações tomadas em nome de cada cidadão daquele país. É inaceitável uma situação em que as pessoas estão, em muitos casos, totalmente não cientes do que está sendo dito e feito em seu nome -- por trás de portas fechadas.
Nós não desejamos ameaçar o jeito de viver de ninguém. Nós não desejamos ditar nada a ninguém. Nós não desejamos aterrorizar sua população. Anonymous já esta e sempre esteve entre ela. Anonymous é a voz de cada oprimido sem rosto dentro deste país, nós estamos em todos os lugares, vocês nos vêem todos os dias, quando andam na rua observando vocês, observando os erros dos seus governantes e a corrupção crescer a cada dia.

Nós apenas queremos tirar o poder investido e dá-lo de volta ao povo -- que, em uma democracia, nunca deveria ter perdido isso, em primeiro lugar.
O governo faz a lei. Isso não dá a eles o direito de violá-las. Anonymous vem observando a muito tempo a manipulação de informação largamente utilizada dentro do Brasil e chegou a hora de tomarmos uma atitude quanto a isso. Um governo sem transparência e um povo sem informação são os maiores perigos da democracia e o Brasil caminha cada vez mais para que esses dois perigos tirem ainda mais de sua população o pouco de liberdade que ela ainda tem. Chegou a hora de vocês conhecerem o poder que Anonymous tem. Nossa mensagem é simples e deve ser ouvida por todos os governantes deste país : não mintam para o povo e vocês não terão que se preocupar sobre suas mentiras serem expostas. Não façam acordos corruptos que vocês não terão que se preocupar sobre sua corrupção sendo desnudada. Não violem as regras e vocês não terão que se preocupar com os apuros que enfrentarão por causa disso. Vocês sabem que vocês não nos temem porque somos uma ameaça para a sociedade. Vocês nos temem porque nós somos uma ameaça à hierarquia estabelecida. O Anonymous vem provando nos últimos que uma hierarquia não é necessária para se atingir o progresso -- talvez o que vocês realmente temam em nós seja a percepção de sua própria irrelevância em uma era em que a dependência em vocês foi superada. Seu verdadeiro terror não está em um coletivo de ativistas, mas no fato de que vocês e tudo aquilo que vocês defendem, pelas mudanças e pelo avanço da tecnologia, são, agora, necessidades excedentes. Finalmente, não cometam o erro de desafiar o Anonymous.

Sua única chance de enfrentar o movimento que une todos nós é aceitá-lo. Esse não é mais o seu mundo. É nosso mundo -- o mundo do povo. E o Anonymous é do povo. Este é um alerta aos Governantes deste país, nós estamos entre vocês e não permitiremos que a população continue a ser iludida, sem poder a merce de vocês.




Somos o Anonymous.

Somos uma legião.

Não perdoamos.

Não esquecemos.

Esperem por nós...
Category:
Nonprofits & Activism
Tags:
Anon OpESR Anonymous Anônimo Brasil Governo Democracia Informação liberdade povo AwakeBrazil AcordaBrasil The Plan
License:
Creative Commons Attribution license (reuse allowed)



Bem  já fiz a divulgação do Anonymous ,  agóra conhecendo  a origem , o Partido Pirata Suisso ,  posso perguntar  porque  atacar  o Governo Brasileiro ? , o Brasil vive um estado de direito , uma democracia jovem e plena , uma das maiores do mundo , onde todos podem votar e serem votados , a justiça  tem imperfeições  , as mesmas das cortes européias ou americanas , o legislativo sim precisa de correções mas estas se darão através dos sufragios , nas urnas a decisão do povo brasileiro , atacar indistintamente orgãos governamentais em nada  ajudará o povo brasileiro ,  sou um dos maiores defensores dos profissionais em T I , que ganham pouco e são explorados pelo capital nacional e internacional ,  quando nos tratamos  pelo titulo "Irmãos"  para se ter ideia fui eu quem introduzi  este tipo de tratamento ,.
O Brasil da total liberdade de expressão a qualquer grupo , seja comunista , socialista , viadista , maconheiros onde a Suprema Corte garantiu a eles todo direito de expressão , não se justifica que o  grupo auto intitulado @LulzSecBrazil  ataque  orgãos publicos , se querem fazer algo que o façam contra deputados notóriamente corruptos , governantes que colocam dinheiro na cueca , contra medicos peritos do inss que estão exterminando os trabalhadores doentes ou  adoentados do Brasil , empresas  de informatica  que sugam nossos Irmãos da  TI  , e por ai vai , devemos tomar cuidado , pois quando convocamos "Não importa a cor da sua pele, origem ou crenças, nós convidamos você a se juntar a nós em nossa luta ." vem no pacote  o lixo que  que se vendeu a CIA  ao MOSSAD  e simples ladrões de  senhoras aposentadas , e que nada tem haver com ativistas  como nós que buscam dar condições para a evolução do genero humano .

Atacar o  Estado Brasileiro é uma covardia , eles não tem como se defender , usam equipamentos obsoletos , seus quadros em TI são lastimaveis , para se ter ideia existe uma unidade do Exercito idealizada para combater na guerra de informação e contra informação , baseada em Brasilia cuja tecnologia  vem de um contrato feito com a  Panda , uma piada mas enfim , não é justo ou certo atacar serviços que a população utiliza .

Lembrem-se  existem oportunistas sempre atentos a usufruirem dos nossos sacrificios em prol da democracia e da justiça , como por exemplo  o hoje personalidade do jet set  Julian Paul Assange  ,  ou a CIA e o MOSSAD  com intuito de manter o dominio ianque sobre os povos , em especial o Arabe , e muita coisa extranha vem acontecendo depois que o Brasil se posicionou contra os interesses americanos , e se mostra a caminho de ser um dos  maiores produtores de petroleo do mundo , assim como de alimentos e outros produtos.

Fica aqui  registrado meu repudio a ataques indiscriminados onde quem sofre  é  o mais fraco , o povo.

E outra coisa é humilhante ficar divulgando informações de dominio publico  e dar as mesmas classificação  de secretas , isto desmoraliza , todo mundo sabe que na praça da Sé em são paulo e outros lugares se compra de tudo até listas de contribuintes da receita  etc , até  jornais de tv já fizeram reportagem sobre este tema .

domingo, 19 de junho de 2011

Sheikh Dr. Ayman al-Zawahiri criticou o presidente dos Estados Unidos



Sheikh  Dr. Ayman al-Zawahiri , novo lider  da  Al-Qaeda devera  vingar a morte de seu antecessor   como manda  a tradição e praticar  algo grandioso   para calar seus oponentes em sua  organização  ,   acredito que em vez  de varios  atentados ou ataques de pequeno porte ele vá  partir para um  unico  atentado/ataque  que atenda as duas demandas  e o alvo certamente será  a  america ,  pois atacar  os lacaios  ianques  não daria projeção na midia . Certamente este se dara apos setembro , apos  a assembleia da  ONU  que trara a proposta de criação do Estado Palestino  com fronteiras anteriores a 1967.
Sheikh  Dr. Ayman al-Zawahiri  tem sido o mais proeminente porta-voz da Al-Qaeda, aparecendo em 40 vídeos e gravações de áudio da organização desde 2003.
Em uma dessas mensagens atribuída a ele, divulgada em novembro de 2008, Sheikh  Dr. Ayman al-Zawahiri  criticou o presidente dos Estados Unidos, Barak Obama, dizendo que ele havia traído suas raízes negras e muçulmanas.
Na mensagem, Sheikh  Dr. Ayman al-Zawahiri  diz que Obama "representa o oposto de negros americanos honrados como Malik Shabazz, conhecido também como Malcolm X" e se refere ao presidente com um "escravo da casa".
"Você nasceu de um pai muçulmano, mas decidiu ficar do lado dos inimigos do Islã e rezar como um judeu, embora diga ser um cristão, para que pudesse subir a escada da liderança dos Estados Unidos. Você subiu com o apoio de Israel."
"Não é estranho que Malcolm X tenha sido morto enquanto você galgava a escada para liderar as mais criminosas forças na história e liderar a mais violenta campanha contra os muçulmanos. A declaração de Malcolm X sobre escravos da casa se aplica a você, (ao ex- secretário de Estado americano) Colin Powell, (à secretária de Estado, Condoleezza) Rice e outros parecidos", diz Zawahiri na gravação.
Malcolm X, o ativista muçulmano que defendeu os direitos dos negros americanos na década de 50 e 60, usou a expressão "negro da casa" para se referir a afro-americanos que havia traído suas raízes, em uma conotação de que essas pessoas seriam serviçais dos brancos.
Pois é  Sr.Obama  consegue desagradar  a todos ,  o Sheikh  Dr. Ayman al-Zawahiri  o detesta ,  fato preocupante.

sábado, 18 de junho de 2011

A palavra Palestina deriva do grego Philistia.































 A palavra Palestina deriva do grego Philistia, nome dado pelos autores da Grécia Antiga a esta região, devido ao facto de em parte dela (entre a actual cidade de Tel Aviv e Gaza) se terem fixado no século XII a.C. os filisteus.Os filisteus não eram semitas e sua provável origem é creto-miceniana, uma das mais conhecidas (embora recorrentemente mencionadas) vagas dos chamados "Povos do Mar" que se estabeleceram em várias partes do litoral sul do mar Mediterrâneo, incluindo a área hoje conhecida como Faixa de Gaza. Segundo a tradição bíblica os filisteus seriam oriundos de Caphtor, termo associado à ilha de Creta. Este povo é igualmente referido nos escritos do Antigo Egipto com o nome de prst, por onde também passaram e foram repelidos.

No século II d.C., os romanos utilizaram o termo Syria Palaestina para se referirem à parte sul da província romana da Síria. O termo entraria posteriormente na língua árabe e é usado desde então para se referir a esta região.

A principal fonte histórica sobre o povoamento da região é a Bíblia (Antigo Testamento), que narra a chegada dos Hebreus liderados por Abraão por volta de 2000 a.C., sendo que a partir de então a criação de rebanhos vai sendo substituída pela agricultura. A ocupação da Palestina por parte dos Hebreus foi um processo lento e caracterizado por vários conflitos, uma vez que outros povos -- Filisteus e Cananeus -- viviam na região.
Para os Hebreus Canaã era a Terra Prometida. Segundo sua crença, eram o povo escolhido por Deus e que deveriam ocupar as terras banhadas pelo Rio Jordão.
Três momentos mais importantes se destacam na história desse povo: O Êxodo, fuga dos hebreus do Egito para a Palestina por volta de 1250 a.C., liderados por Moisés, época em que vagaram por 40 anos pelo deserto do Sinai. O Cisma, divisão das 12 tribos hebraicas em dois reinos, no ano de 965, após a morte do rei Salomão. Ao norte formou-se o Reino de Israel e ao sul organizou-se o Reino de Judá.
A Diáspora, processo de dispersão forçada dos hebreus, principalmente no século II, quando o Imperador Adriano expulsou o povo hebreu da Palestina.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Massacre de Sabra e Shatila.







Não  podemos jamais esquecer, pelo simples fato que massacres como esse do acampamento palestino de Sabra e Chatila, no Líbano, continuam sendo perpetrados até os dias atuais .

Israel ocupou o Líbano e o sul do país, por diversas vezes, desde a proclamação de sua existência em 14 de maio de 1948 por Ben Gurion.  A guerra civil  no Libano  que tinha começado em 75 e dividido o país entre Muçulmanos e Cristãos, Sunitas e Xiitas, Palestinos , continuava.

O episódio de 1982 tem um caráter e uma lembrança especial. Os dias que se transcorreram o massacre , tem início no dia 14 de setembro desse ano.

Massacre de Sabra e Chatila    foi o morticínio de refugiados civis palestinos e libaneses perpetrado pela milícia  cristã  maronita liderado por Elie Hobeika após o assassinato do presidente-eleito do país e líder falangista, Bachir Gemayel.

 O evento ocorreu nos campos palestinos de Sabra  e Shatila ,  situados na periferia de Beirute, a sul da cidade, área que se encontrava então sob proteção das forças armadas de Israel.. Falanges e milícias cristãs se enfurecem e radicalizam. Bachir Gemayel , como se soube, defendia abertamente um acordo de paz com Israel.

Quem comandava a ocupação do Líbano por Israel era ninguém menos do que o general Ariel Sharon, ex-primeiro ministro, hoje um morto-vivo, em coma há mais de  anos. Verdade seja dita, não foram os soldados sionistas diretamente que perpetraram o massacre.

Mas, o fizeram com as mãos de libaneses inescrupulosos, das falanges de extrema direita e pró-sionistas.

Os tanques israelenses deram total cobertura. Cercaram esses dois acampamentos de refugiados palestinos. Israel forneceu até as tochas que iluminaram os acampamentos à noite para que cerca de 600 milicianos entrassem nos campos. Milhares de famílias de palestinos moravam nessas localidades.

Durante toda a noite do dia 16 de setembro e o dia todo do dia 17 ouviu-se tiros e explosões. Era o início do massacre. E o massacre foi o mais cruel que se pode ver em toda a história dos massacres que israelenses e cristãos fizeram contra palestinos.

Relatos idôneos da Cruz Vermelha Internacional dão conta de mulheres brutalmente estupradas e depois esquartejadas. A medida que a noite descia, o exército sionista    começou a disparar fogos de   iluminação.

O céu brilhou com fogo e com sangue. Durante as 48 horas seguintes as milícias Falangistas perpetraram um massacre sobre a população Palestiniana sob o pretexto encontrar e prender terroristas, com o conhecimento do exército de Israel e do então Ministro da Defesa  de    Israel   Ariel Sharon.

Sharon sofreu na verdade a sua maior derrota política com esse episódio. Mesmo sendo ministro da Defesa de Israel, acabou tendo que se afastar e alguns dias depois do episódio, onde se estimam tenham morrido mais de três mil jovens, mulheres, crianças e velhos, uma manifestação de 400 mil pessoas pedia punição, em Tel Aviv, pedindo a saída de Sharon.

O ex-ministro nunca foi punido por isso, pela sua responsabilidade direta no massacre. Nem ele, nem o general Rafael Eitan, que era mancomunado com os cristãos falagistas   libaneses de direita.

Uma comissão israelense de inquérito concluiu o então ministro da Defesa, Ariel Sharon, o arquiteto da invasão, foi indiretamente responsável pelo massacre, o que levou a sua demissão em 1983.

O então primeiro Ministro de Israel era Menachem Béguin, já morto. Ele mesmo um dos autores de outro famoso massacre a uma aldeia palestina, mas há 60 anos, em 1947, em abril, que se chamava Deir Yassim. Nesse caso morreram “só” 250 palestinos. Béguin entende do assunto. Mas, por pressão popular e por decisão de uma comissão de investigação interna do governo, Béguin acabou tendo que afastar Sharon, que amargou 15 anos de ostracismo político, retornando apenas em 1998 e agora vive de forma vegetativa em coma.

Muitos árabes culpam Israel pela matança, notando que os soldados de seu exército  sionista  invasor estavam  do lado  de   fora dos campos durante o massacre  dando cobertura  e de forma clara participando deste crime contra a humanidade.

A revista Veja tinha, então, como seu correspondente no Líbano o repórter Alessandro Porro, judeu que procurou desmentir a alegação de que o exército de Israel não percebera a ocorrência do massacre era uma falácia, chegando mesmo a contar quantos passos havia entre os campos e o quartel israelense, no que foi considerado um furo jornalístico.

Sabra e Shatila continuam a ser duas zonas extremamente pobres, contrastando com a baixa parisiense e amante da dolce vita de Beirute.

Shatila ainda e um dos maiores campos de refugiados do Líbano e um dos mais deteriorados.  O sonho de uma terra própria mantém-se vivo.

Finalmente, em 2000, os israelenses se retiram do sul do Líbano, permanecendo nas fazendas de Shebaa, próximas às Colinas de Golã, pois Israel não considera as fazendas como território libanês.

Ali, a tensão continua, com a resistência de guerrilheiros do Hezbollah e de grupos laicos nacionalistas, palestinos e comunistas ( FPLP, PCL) contra a ocupação do território libanês por Israel.

            AOS   ENTES QUERIDOS DE SABRA E SHATILA.

Por Ramzy Baroud

Como vocês, também nasci e me criei em um campo de refugiados. Cresci com poucos brinquedos  mas com muitos aniversários de massacres para comemorar. Juntamente com meus companheiros, comemorei, entoei os nomes de seus entes queridos,  os de perto e os de longe, que morreram durante nossa luta justa para viver em liberdade.

Eu tinha apenas 10 anos quando o imam de nossa mesquita, com a voz embargada, transmitiu a notícia através dos alto-falantes, de um massacre. Eu tinha apenas 10 anos, mas ainda sinto a angústia que senti naquele dia. Meu pai chorou feito criança. Minha mãe me agarrou e a meus irmãos e se sentou silenciosamente. nossos vizinhos se reuniram em busca de notícias, alguns chorando, até mesmo aqueles que costumam dizer "homem que é homem não chora".

Cresci trazendo no coração aquela lembrança. Sabia que Sabra e Shatila não eram as primeiras  em que aquele tipo de crime tinha sido realizado contra a minha gente. O tempo também se encarregou de mostrar que não seria o último. Mas Sabra e Shatila foram o símbolo da desumanidade de nossos torturadores e um símbolo de nosso desafio, resistência e insistência que não deixaremos que se desvaneça jamais.

Vocês se arrastaram dos destroços de suas casas para serem testemunhas daquele momento de horror, um momento crítico que definiuu quem são vocês até hoje, e definiu a apatia deste mundo injusto.

Vocês se sentaram e choraram. Vocês contaram aos jornalistas o que aconteceu naquele dia. Vocês imploraram ao mundo que "fizesse alguma coisa". Vocês não precisavam transmitir nada. O mundo sabia muito bem o que tinha acontecido. Os americanos sabiam muito bem o que tinha acontecido. Até os israelenses sabiam muito bem o que tinha acontecido.

Mas, ainda assim, nada fizeram .

Israel assassinou seus entes queridos. Ariel Sharon, o festejado "guerreiro" de Israel, falou abertamente como ele enviou os falangistas cristãos para "limpar" o campo, para erradicar os "terroristas". Sharon queria estabelecer um exemplo para os militantes da OLP, cuja partida do Líbano tinha sido arrumada pelos Estados Unidos, os mesmos Estados Unidos que haviam prometido protegê-los e não conseguiram, os mesmos Estados Unidos que agora chamam o culpado de "homem de paz".

Vocês estavam vulneráveis quando os soldados israelenses fecharam seus campos, bloquearam as passagens que os levariam para a segurança e os ataques vieram do céu e da terra. Vocês deviam saber que um novo crime estava prestes a acontecer, quando os israelenses iluminaram os campos em todas as direções naquela noite fatídica, permitindo que os falangistas dentro do campo cumprissem a ordem: matar.

Morro só de  imaginar os seus sentimentos quando ouviram os soldados indo de casa em casa. Se aproximando da de vocês.

Ninguém pode recordar, a não ser vocês que viveram aqueles momentos, as vozes ensanguentadas das mães implorando aos soldados que poupassem seus filhos, e as vozes das crianças chorando antes de serem esfaqueadas ou baleadas.

Durante quase 30 anos, vocês procuraram por justiça, esperaram em seus campos de refugiados, em desespero e na pobreza, muito perto das sepulturas comuns onde seus entes queridos foram enterrados, muito perto da Palestina, para onde vocês ainda esperam retornar.

Meus irmãos, quase  30 anos se passaram e a liberdade e a justiça estão longe de ser encontradas.

Acabamos de comemorar o aniversário de seu massacre e nosso povo na Cisjordânia ainda está vivendo um mortal toque de recolher, e nosso povo em Gaza está enjaulado, cercado de arame farpado e soldados furiosos.

Mas, por que ainda me lembro de vocês como se o massacre tivesse ocorrido ontem? É porque seus assassinos ainda estão livres, liderando novas guerras, novos massacres? Ou será porque nossa memória é nosso patrimônio, ela abastece nossa resistência, obriga a sobrevivência da nossa luta justa por liberdade?

Desde criança até hoje, eu comemorei o aniversário de seu massacre. Eu costumava escrever pequenas estórias para as minhas aulas de árabe na escola básica, falando de sua dor. Na minha juventude, escrevi poesia sobre vocês e agora comemoro seu aniversário com um artigo, esperando que eu possa transmitir a estória de vocês para aqueles que não conhecem nada sobre a sua dor.

Eu assinei cada petição que me pediram para assinar, para processar Sharon. Escrevi para a ONU, para a Casa Branca, para "meus representantes", para o governo belga, para os grupos de direitos humanos, para cada um que eu achei por um segundo que poderia ajudar em sua causa. Ainda aguardo a resposta.

Portanto, desta vez, decidi escrever para vocês só para dizer "caros entes queridos, não os esquecerei porque se o fizer, terei esquecido quem eu sou, terei abandonado a minha natureza humana, terei abandonado o meu direito de retorno e o de vocês".


Líbano e os movimentos Palestinos.

O afluxo de refugiados palestinos entre 1948 e 1970, a reafirmação do nacionalismo árabe patrocinada por Gamal Abdel Nasser nas décadas de 1950 e 1960, a fundação da OLP em 1965, a expulsão de todos movimentos armados de resistência palestina na Síria, Jordânia e Egito, e a opção do nacionalismo palestino pela luta armada, abalariam política e demograficamente o delicado equilíbrio entre as comunidades libanesas. Após sua sangrenta expulsão da Jordânia, comandada pelo rei Hussein, naquilo que ficaria conhecido como o "Setembro Negro", em 1970, a OLP e em todos os seus movimentos afiliados mudaram-se para Beirute e o sul do Líbano. Lá, eles prometiam continuar a luta pela libertação da Palestina, em violação dos acordos firmados com autoridades libanesas que visavam regulamentar as atividades das organizações palestinas no país. A comunidade muçulmana no Líbano viu nos movimentos palestinos (em sua grande maioria sunita) uma oportunidade para renegar o Pacto Nacional de 1943, através da utilização dos próprios palestinos como arma política para pressionar os seus concidadãos cristãos na revogação desse acordo não-escrito, que estabeleceu a divisão de poder entre as três maiores comunidades, com os cargos de presidente para os cristãos maronitas, de primeiro-ministro para os sunitas e o de presidente do Parlamento para os xiitas. Estas e outras garantias constitucionais levariam ao aumento do fervor dos muçulmanos, inspirados pelo resurgimento do pan-arabismo e pelos grupos de esquerda secular que atuavam a mando do bloco comunista soviético na década de 1960, conduzindo-os a se juntarem às forças da Frente de Partidos Progressistas e às Forças Nacionais em 1969.

Os muçulmanos da coligação oposicionista de esquerda (mais tarde, Movimento Nacional Libanês) pediu a realização de um novo recenseamento (o último havia sido realizado em 1932) e a subsequente elaboração de uma nova estrutura governamental que refletisse as mudanças ocorridas no próprio equilíbrio populacional. A comunidade cristã (especialmente maronita) viu isso como um ataque contra as bases do Estado do Líbano e um desrespeito ao Pacto Nacional. Além disso, os cristãos não queriam renegociar o pacto ou nele fazer rearranjos, uma vez que eles desejavam manter a sua dominação sobre a sociedade libanesa.

Com ambos os lados incapazes de resolver os seus conflitos de interesses, começou-se a formar milícias para proteção de suas comunidades. Estas milícias cresceram tanto que se chegou um momento em que estes grupos eram mais numerosos que o exército convencional e, conseqüentemente, rapidamente minava-se a autoridade do governo central. A capacidade do governo para manter a ordem também foi limitada pela natureza do exército libanês, um dos menores no Médio Oriente e também composto a partir da proporção fixa de religiões baseada no censo demográfico de 1932. Como seus membros contaminados pelo sectarismo das milícias, o exército libanês acabaria por se revelar incapaz de conter os grupos militantes, de deter a OLP e de monitorar infiltrações externas. Uma vez que os cristãos dominavam o governo e os principais postos militares, a confiança dos muçulmanos nas instituições centrais, incluindo o exército, estava em baixa. A desintegração do exército libanês teve início com desertores de muçulmanos que declararam não seguir mais as ordens de generais maronitas.

Durante toda a guerra civil, a maior parte ou todas as milícias cometeram violações aos direitos humanos, bem como o caráter sectário de algumas batalhas fizeram dos civis um alvo freqüente de ataques. À medida que a guerra arrastava, as milícias se assemelhavam cada vez mais a organizações mafiosas, composta por vários comandantes, e que faziam do crime sua principal atividade, ao invés da luta. O financiamento para o esforço de guerra era obtido em uma ou todas as três seguintes maneiras:

Apoio externo - Geralmente, a partir de rivais dos governos árabes, do Irã ou de Israel, ou ainda de potências externas como os Estados Unidos e a União Soviética, que furavam embargos. As alianças que mudavam com freqüência.
Rapinando a população - extorções e roubos eram atividades comuns. Durante um cessar-fogo, a maior parte das milícias operavam em suas áreas de influência como organizações mafiosas.
Contrabando - Durante a guerra civil, o Líbano se transformou em uma dos maiores produtores mundiais de narcóticos, em grande parte com a produção de haxixe no vale do Bekaa. Mas muito mais foi contrabandeado, como armas e suprimentos, todo o tipo de bens roubados, além da manutenção do comércio regular - com ou sem guerra, o Líbano não renunciava ao seu papel de intermediário entre o Ocidente e Oriente. Muitas batalhas ocorreram ao longo dos portos libaneses, de onde os contrabandistas tinham acesso a rotas marítimas.

Principais milícias
A maioria das milícias alegavam que não eram forças sectárias, mas de fato elas recrutavam principalmente a partir da sua comunidade ou da região de suas lideranças.
Milícias cristãs
As milícias cristãs adquiriram armas tanto junto a Romênia e Bulgária (países que integravam o antigo bloco comunista soviético) como também a Alemanha Ocidental, Bélgica e Israel , e recebiam apoio expressivo da grande maioria da população cristã radicada no norte do país. Em geral, eram grupos de tendência política de direita. Todas as principais milícias cristãs eram dominadas pelos maronitas, enquanto que outras seitas cristãs desempenhavam um papel secundário.

A mais poderosa destas milícias foi a Kataeb, ou Falange, sob a liderança de Bachir Gemayel. As Falanges passaram a ajudar as forças oficiais libanesas em 1977 e sob liderança de Samir Geagea em 1986. Uma facção menor cristã foi a nacionalista Guardiões do Cedros. Essa milícia rapidamente se estabeleceu em Beirute Oriental, dominada pelos cristãos e também local de muitos edifícios governamentais. No norte, as Brigadas Marada serviram como a milícia privada das famílias Franjieh e Zgharta.

Milícias xiitas
Os xiitas entraram nos combates civis de maneira lenta. Inicialmente, muitos xiitas reuniam-se no movimento palestino e no Partido Comunista libanês, mas, após o setembro negro de 1970, houve um súbito afluxo de palestinos armados para áreas xiitas. O movimento palestino rapidamente perdeu sua influência sobre os xiitas, como facções radicais dominadas pelas armas em grande parte das áreas xiitas inabitadas no sul do Líbano, onde passaram a se concentrar grande quantidade de refugiados palestinos e a cúpula da OLP demonstrou má vontade ou incapacidade em controlá-los.

Apesar de haver certa indisposição com o tradicionalismo da comunidade xiita, os radicais palestinos seculares simultaneamente tinham apresentado um modelo político revolucionário que atraía os jovens mais pobres e a mais oprimida comunidade do Líbano. Depois de muitos anos sem suas próprias organizações políticas independentes, eis que surgiu o Movimento xiita Amal nos anos1974-75. Com sua ideologia islâmica moderada, o Amal imediatamente atraiu as classes baixas urbanas e suas fileiras cresceram rapidamente. Posteriormente, no início dos anos oitenta, houve um racha no grupo com a saída de sua facção mais linha dura, que se juntou aos grupos xiitas que lutavam contra Israel para formar a guerrilha Hezbollah, que atualmente permanece como a mais poderosa milícia do Líbano.  

Seguidores de uma seita do islamismo xiita, os libaneses alauítas eram representados pela milícia dos Cavaleiros Vermelhos do Partido Democrata Árabe - agrupamento partidário pró-síria já que os alauítas dominam politicamente a Síria. Essa milícia atuou principalmente no norte do Líbano em torno de Trípoli.

Milícias sunitas
Algumas facções sunitas receberam apoio da Líbia e do Iraque e entre as inumeras pequenas milícias existentes, a mais proeminente foi o Movimento Tawhid, com bandeiras nacionalista, pan-arabista, nasserista e islâmica.

A principal organização sunita foi o Movimento al-Murabitun. Para compensar a fraqueza no campo de batalha, as lideranças sunitas apoiaram na guerra desde cedo a OLP de Yasser Arafat - dominada por palestinos sunitas, embora também tivesse um minoria cristã (principalmente grego-ortodoxa).

Drusos
O pequeno grupo étnico druso, estrategicamente encontrado na região do Chuf, não tinha aliados naturais e foi obrigado a construir alianças. Sob a liderança da família Jumblatt, primeiro com Kamal Jumblatt (líder do Movimento Nacional Libanês) e, depois, com seu filho Walid, o Partido Socialista Progressista (PSP) serviu como uma eficaz milícia drusa, construindo excelentes laços sobretudo com a União Soviética, com Israel após a sua invasão ao Líbano e com a Síria após a retirada israelense para o sul do país.

Grupos não-religiosos
Embora várias milícias libanesas se considerassem seculares, a maioria delas era mais um veículo de interesses sectários. Ainda assim, existiam alguns grupos não-religiosos de fato, sobretudo, mas não exclusivamente, de esquerda e/ou pan-arabistas de direita.

Exemplos disto foram o Partido Comunista libanês (PCL) e, os mais radicais e independentes, Organização para Ação Comunista (OAC). Outro exemplo importante foi o Partido Social Nacionalista Sírio (PNSS) que promoveu o conceito da Grande Síria, em contraste com o pan-arabismo e com o nacionalismo libanês. O PNSS era geralmente alinhado com o governo sírio.

Duas facções rivais do Partido Baath estavam também envolvidas nas fases iniciais da guerra: uma nacionalista, pró-iraquiana, liderada por Abdul-Majeed Al-Rafei (sunita) e Nicola Y. Firzli (cristão-ortodoxo grego), e uma marxista, "pró-síria", dirigida por Assem Qanso (xiita).

Palestinos
O movimento de libertação palestino transferiu a maior parte de sua luta para o Líbano no final de 1970, depois da expulsão da Jordânia, no caso conhecido como Setembro Negro. Principal movimento palestino, a Organização de Libertação da Palestina (OLP) era, sem dúvida, a mais forte milícia palestina no Líbano, mas com uma confederação de agrupamentos, seu líder Yasser Arafat revelou-se incapaz de controlar a facções rivais internas. Este enfraquecimento tanto na força operacional quanto na simpatia dos libaneses com a OLP, cuja imagem dentro do Líbano era de uma organização cada vez mais dominada por facções radicais cuja "ordem revolucionária comunista" revelava-se nada mais que a proteção de mafiosos. No final, a OLP era mantida unida mais pelos interesses compartilhados e das tentativas contínuas de Arafat de mediação intra-organizacional do que por qualquer estrutura organizacional coerente.

A principal corrente da OLP era o Fatah, do próprio Arafat, guerrilha de doutrina socialista. Entre os mais importantes grupos combatentes palestinos estavam a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP), e sua dissidente, a Frente Democrática para a Libertação da Palestina (DFLP). Como protagonistas menores, estavam a Frente de Libertação da Palestina (PLF) e uma outra dissidência, esta pró-síria, da FPLP, a Frente Popular para a Libertação da Palestina - Comando Geral (FPLP-CG). Para complicar, os rivais partidos baathistas da Síria e do Iraque criaram organizações fantoche dentro da OLP. O Sa'iqa-como foi uma sírio-milícia controlada, a par da Frente de Libertação Árabe sob comando iraquiano. O governo sírio podia também contar com as brigadas sírias do Exército de Libertação da Palestina (ELP), formalmente, mas que não funcionavam como um exército regular. Algumas unidades do ELP foram enviadas pelo Egito sob controle de Arafat, mas nunca desempenharam o mesmo papel dominante como a forte facção armada pelos sírios.

Em 1974, uma controversa proposta quase levou a ruptura da OLP. Conhecida como Programa dos Dez Pontos, essa proposta tinha sido desenvolvida por Yasser Arafat e o Fatah, no Conselho Nacional Palestiniano (PNC), e tinha como objetivo abrir caminho para uma solução para a causa palestina - com a criação de um Estado binacional secular e democrático. Sob furiosas acusações de traição, uma grande parte das facções linha dura e anti-Israel da OLP simplesmente sairam da organização. Com o apoio de iraquianos e, mais tarde, sírios e líbiios, eles formaram a Frente Rejeicionista, apoiando os princípios de uma linha sem comprometimento para com Israel. Entre os desertores estavam a FPLP, a FPLP-CG, a FLP, o as-Sa'iqa, a FLA e de vários outros grupos, além de haver certo descontentamento dentro do próprio Fatah. Arafat administraria conseqüentemente as diferenças dentro da organização, mas isso voltaria a assombrar-lo durante toda a década de 1970 e início dos anos 1980, e a divisão efetivamente impediu sua unidade organizacional em momentos cruciais do envolvimento da OLP na Guerra Civil Libanesa.
A OLP e o conflito libanês
Devido a grandes pressões políticas dos países árabes, que culminou na criação do Acordo do Cairo, idealizado pelo presidente egípcio Gamal Abdel Nasser em 1969, o Líbano foi obrigado a permitir que uma força externa (a OLP) conduzisse operações militares contra Israel a partir do interior do território libanês. Embora inicialmente relutasse muito em assinar, o governo libanês viu este acordo como sua última esperança de recuperar o controle do país, através do qual foi acordado que os ataques seriam realizados em coordenação com o exército libanês. À OLP, foi concedida total controle sobre os campos de refugiados, mas logo a maior parte do sul do Líbano caiu sobre seu efetivo controle, em violação ao acordo. Assim que seus combatentes fugiram da Jordânia após o Setembro Negro, com a destruição do aparato da OLP neste país, a presença da organização tornou-se opressora para muitos dos habitantes destas áreas. As facções radicais operavam como se fossem a lei, o que rapidamente gerou atritos com os aldeões conservadores xiitas. Da mesma maneira que a OLP tinha perdido seu bom acolhimento na Jordânia, o apoio dos muçulmanos aos palestinos começou a sofrer desgaste no Líbano.

Uma parte significativa da oposição de esquerda também começou a evoluir dentro do Fatah, como os combatentes veteranos radicais da Jordânia começaram a verter em suas fileiras, para preocupação de Yasser Arafat. Ainda assim, o líder da OLP iniciou a construção de um "Estado dentro do Estado" ao sul do Líbano, criando uma base segura para estabelecer um quartel-general entre o Vale do Bekaa e o oeste de Beirute. Gradualmente, as autoridades libanesas foram se tornando irrelevantes. Os severos ataques israelenses impostos ao que já era denominado "Fatahlândia" não levaram a população civil xiita e cristã a admirar a guerrilha palestina. No entanto, a OLP era saudada por sunitas - que viam o movimento palestino como um aliado natural (devido ao sectarismo libanês) - e drusos. Uma amizade pessoal se desenvolveu entre Arafat e líder druso Kamal Jumblatt, que não só liderou a PSP, mas que também havia criado o Movimento Nacional Libanês (MNL). Muitas organizações da Frente Rejeicionista aderiram diretamente ao esquerdismo do MNL, seguidas de fato por porções da esquerda do Fatah. Mas Arafat relutava em confiar nestes grupos palestinos no que ele considerava como um conflito intra-libanês, temendo que a guerra colocasse o movimento palestino em um atoleiro dentro do Líbano e desnecessariamente afastasse potenciais aliados entre os cristãos e os seus aliados estrangeiros.

Primeira fase do conflito, 1975-77
Violência sectária e massacres civis
Durante toda primavera libanesa de 1975, confrontos sectários menores foram aumentando em direção a um conflito total, com o MNL lutando contra a Falange e um governo nacional cada vez mais fraco e oscilante entre a necessidade de manter a ordem e cuidar do seu círculo eleitoral. Na manhã de 13 de abril de 1975, pistoleiros não-identificados em um carro veloz dispararam contra uma igreja cristã em Ain El Rummaneh, no subúrbio a leste de Beirute, matando quatro pessoas, incluindo dois maronitas falangistas. Horas mais tarde, falangistas liderados por partidários da família Gemayel mataram 30 militantes palestinos que trafegavam em Ain El Rummaneh rumo ao campo de refugiados de Tel al-Zaatar, no episódio que ficou conhecido como o "Massacre do Ônibus".

Em 6 de dezembro de 1975, os assassinatos de quatro membros das Falanges levaram os líderes da mílicia de direita desencaderam uma furiosa reação que ficou conhecida como o "Sábado Negro". Os corpos de quatro falangistas foram encontrados em um carro abandonado próximo de uma propriedade à leste de Beirute. A reação foi imediata. As falanges criaram temporariamente barreiras em toda Beirute onde inspeccionavam os cartões de identificação de filiação religiosa dos que passavam. Muitos muçulmanos e palestinos que passavam através da barreiras foram mortas imediatamente. Adicionalmente, membros das falanges fizeram reféns e atacaram muçulmanos no leste da Beirute. Milícias pró-muçulmanos e palestinas retaliaram com força, aumentando o número de mortos em torno de 200 e 600 - entre civis e milicianos. A partir daí, os combates entre as milícias se intensificaram.

Na perversa espiral de violência sectária, a população civil foi um alvo fácil. Em 18 de janeiro de 1976, cerca de mil pessoas foram mortas pelas forças cristãs no Massacre de Karantina, imediatamente seguida por uma retaliação comandada por milícias palestinas em Damour. Aqueles habitantes que não conseguiram fugir para a aldeia foram abatidos a tiro ou mortos a facadas. Estes dois massacres levaram a um êxodo maciço de muçulmanos e cristãos, com a fuga em massa de pessoas amedontradas para áreas sob o controle de seu grupo sectário. A diversidade étnica e religiosa do formato das áreas residenciais da capital incentivou este processo. De leste a oeste, Beirute foi cada vez mais se transformando naquilo que foi, respectvamente, uma Beirute cristã e outra muçulmana. Além disso, o número de cristãos esquerdistas alinhados com o MNL e de muçulmanos conservadores dentro do governo central caiu acentuadamente, revelando que a guerra se tornava um conflito absolutamente sectário. Outro efeito dos massacres foi de trazer a Fatah de Yasser Arafat e, assim, a OLP para o lado do MNL, tal como o sentimento palestino era de completa hostilidade às forças libanesas cristãs.
Em junho de 1976, com combates ao longo de todo o país e os maronitas à beira da derrota, o presidente Suleiman Frangieh apelou para a intervenção da Síria no Líbano, alegando que o porto de Beirute seria fechado e que os sírios recebeu através dele uma grande parte dos seus bens.O governo da Síria respondeu com o término de sua associação prévia com os palestinos da Frente Rejecionista e começou a colaborar com o governo dominado pelos maronitas. Isto tecnicamente colocou do mesmo lado Síria e Israel, que já vinha auxiliando as forças maronitas com armas, tanques e conselheiros militares naquele ano. A Síria tinha seus próprios interesses políticos e territoriais no Líbano, fomenndo células islâmicas como a Irmandade Muçulmana anti-Baathista - onde cogitava uma possível via de ataque à Israel.

A pedido do presidente, tropas sírias entraram no Líbano, ocupando Trípoli e o Vale do Bekaa, facilmente removendo os milicianos palestinas e do MNL. Um cessar-fogo foi imposto, mas em última análise falhou em tentar parar o conflito, de forma que a Síria aumentou ainda mais à pressão. Com Damasco fornecendo armas, as forças cristãs conseguiram abriu caminho nas defesas do campo de refugiados de Tel al-Zaatar, no leste de Beirute, que há muito tempo estavam sob cerco. Desta invasão, resultou um novo massacre na cidade, que vitimou ao menos 2.000 palestinos e provocou fortes críticas à Síria no mundo árabe.

Em 19 de outubro de 1976, ocorreu a Batalha de Aishiya, quando uma força combinada da OLP e de uma milícia comunista atacou Aishiya, uma aldeia cristã isolada em uma zona maioritariamente muçulmana. O corpo de artilharia das Forças de Defesa de Israel dispararam 24 bombas (66 quilogramas de TNT cada) de unidades de campo de artilharia 175 milímetros fabricadas nos Estados Unidos, repelindo a primeira tentativa dos guerrilheiros. No entanto, a OLP e os milicianos comunistas retornaram à noite, quando a baixa visibilidade fez a artilharia israelense muito menos eficaz. A população cristã da aldeia fugiu e só regressou em 1982.

Ainda naquele mês, a Síria aceitou uma proposta de uma cúpula da Liga Árabe em Riad, que deu um mandato para manter 40 mil tropas sírias no Líbano como a maior parte dentro das forças de dissuasão árabes (FDA) designadas a desenredar os combatentes e restabelecer calma. Outras nações árabes também compuseram parte do FDA, mas eles perderam interesse relativamente cedo, e a Síria foi novamente deixada com o controlo exclusivo das forças, tendo agora a FDA utilizada como um escudo diplomática contra críticas internacionais. Neste momento, a Guerra Civil foi oficialmente encerrada e uma calma inquietante assentou-se sobre Beirute e a maior parte do Líbano. No sul, contudo, o clima começou a se deteriorar como conseqüência do gradual regresso dos combatentes da OLP, que tinham sido obrigados a desocupar a região central libanesa sob os termos dos Acordos de Riad.
O Líbano era efetivamente uma nação dividida. O sul e a metade ocidental de Beirute tornaram-se bases para a OLP e para milícias muçulmanas, enquanto que os cristãos controlavam o leste de Beirute e o Monte Líbano. Os sírios cuidavam do restante do país. A principal linha de confrontação na dividida Beirute ficou conhecida como a Linha Verde. Em Beirute Oriental, em 1977, líderes cristãos do Partido Nacional Liberal (PNL), do Partido Kataeb e do Partido da Renovação Libanesa ingressaram na Frente Libanesa, um grupo político para fazer frente ao Movimento Nacional Libanês. Suas respectivas milícias - os Tigres, as Falanges Libanesas e os Guardiões dos Cedros - formaram uma coalizão conhecida como Forças Libanesas, convertendo-se em uma ala militar da Frente Libanesa. Desde o início, o Kataeb e a Falange, sob a liderança de Bashir Gemayel, dominaram as FLs. Absorvendo ou destruindo completamente as milícias menores, ele tanto consolidou o controle das FLs como e o reforçou as forças cristãs.
Em março de 1977, Kamal Jumblatt, líder do Movimento Nacional Libanês foi assassinado, com amplas suspeitas de que tenha sido obra de agentes do governo sírio. Enquanto o papel de Jumblatt como líder do Partido Socialista Progressista, da facção drusa, foi surpreendentemente preenchido sem problemas pelo seu filho, Walid Jumblatt, o MNL se desintegrou após a sua morte. Apesar do pacto anti-governo, esquerdistas, xiitas, sunitas, palestinos e drusos continuavam juntos por mais algum tempo, até que seus interesses divergentes dilacerassem a unidade da oposição. Sentindo a oportunidade, Hafez al-Assad imediatamente procurou estabelecer mais discordâncias entre cristãos e muçulmanos, em um jogo de dividir para conquistar.
A onda de ataques de Organização para a Libertação da Palestina desde o sul do Líbano em direção à Israel, entre 1977 e 1978, levaram a uma escalada de tensões entre os dois países. Em 11 de Março de 1978, onze combatentes do Fatah desembarcaram em uma praia ao norte de Israel e seqüestraram (em trânsito) dois ônibus cheios de passageiros na estrada Haifa - Tel-Aviv, atirando nos veículos de passagem. Ao todo, os rebeldes palestinos mataram 37 e feriram 76 israelenses antes de serem mortos em um confronto com as forças israelitas.
Como resposta, tropas de Israel invadiram o Líbano três dias depois, em 14 de março, naquilo que ficaria conhecida como Operação Litani - primeira ofensiva de grande envergadura efetuada por suas Forças de Defesa durante a guerra civil no país vizinho. O exército israelense ocupou a maior parte da área ao sul do rio Litani. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, por meio da aprovação das Resoluções nº 425 e 426, pedia a imediata retirada das forças israelenses que ocupavam o território libanês e criava a Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Unifil), que seria encarregada da manutenção da paz na região.
A zona de segurança
As forças israelenses retiraram-se da maior parte do território do Líbano ainda em 1978, mas mantiveram o controle do sul libanês, gerindo uma ampla "zona de segurança" de 12 milhas náuticas (19 km) ao longo da fronteira. Para manter estas posições, Israel estabeleceu o Exército do Sul do Líbano (ESL), uma milícia composta por cristãos e xiitas sob a liderança do major Saad Haddad. Além de armas e recursos, Israel forneceu ao ESL "conselheiros" para fortalecer e guiar a milícia aliada. O primeiro-ministro israelita Menachem Begin, do partido Likud, comparou a situação da minoria cristã no sul do Líbano (então cerca de 5% da população no território controlado pelo ESL) com a dos judeus em solo europeu durante a Segunda Guerra Mundial.
Sucederam-se violentos combates entre a OLP, Israel e o ESL. A organização palestina atacava posições dos milicianos aliados de Israel e disparava foguetes em direção ao norte israelense; as forças de Israel realizavam ataques aéreos contra posições da OLP no Líbano; os milicianos do ESL prosseguiam os seus esforços para consolidação o poder na região fronteiriça.
O Síria, entretanto, entrava em conflito com as Falanges Libanesas, uma milícia maronita liderada por Bachir Gemayel, cujas ações cada vez mais agressivas - tal como a sua tentativa, em abril de 1981, de capturar a estratégica cidade de Zahle, no centro da Líbano - tinham a intenção de frustrar o objetivo sírio de remover Gemayel e empossar Suleiman Frangieh como presidente. Conseqüentemente, os laços entre Israel e Bachir reforçaram-se consideravelmente. Em abril de 1981, por exemplo, durante combates em Zahle, Gemayel apelou à assistência israelense. O premiê israelita Begin respondeu em socorro ao líder maronita enviando caças que abateram dois helicópteros sírios. Isto levou à decisão do presidente sírio Assad de colocar mísseis terra-ar no contorno montanhososo de Zahle.
Em 17 de julho de 1981, aeronaves israelenses bombardearam edifícios em Beirute, onde ficavam escritórios de grupos associados à OLP. O representante libanês no Conselho de Segurança da ONU informou que 300 civis foram mortos e 800 feridos. O ataque aéreo levou à condenação internacional e a um embargo temporário dos Estados Unidos sobre a exportação de aviões de guerra para Israel.
Em agosto, primeiro-ministro israelense Menachem Begin foi reeleito e, em setembro, o premiê e seu ministro da defesa Ariel Sharon começaram a estabelecer planos para uma segunda invasão ao Líbano com a finalidade de expulsar a OLP. A intenção de Sharon era a de "destruir a infra-estrutura militar da OLP e, se possível, a própria liderança da organização; o que significava atacar Beirute Ocidental, onde foi localizado o quartel-general da OLP".
Sharon também desejava garantir a presidência de Bashir Gemayel. Em troca da ajuda israelense, Ariel Sharon esperava de Gemayel, uma vez instalado como presidente, a assinatura de um tratado de paz com Israel, presumivelmente estabilizadando para sempre a fronteira norte de Israel. Begin levou o plano de Sharon antes do recesso do Knesset em dezembro de 1981; porém, depois de levantadas fortes objecções, o primeiro-ministro sentiu-se forçado a deixar o plano de lado. Mas Sharon não desistiu da questão. Em janeiro de 1982, o ministro da defesa reuniu-se com Bachir Gemayel em um navio israelense ao largo da costa do Líbano e discutiu um plano "que levaria forças israelitas até o norte à beira do Aeroporto Internacional Beirute".Em fevereiro, com a anuência de Begin, o chefe da inteligência militar israelense Yehoshua Seguy foi enviado a Washington para discutir a questão do Líbano com o secretário de Estado Alexander Haig. No encontro, Haig "sublinhou que não poderia haver uma grande investida militar sem uma clara provocação", ou seja, um casus belli que fosse aceito pelo mundo.
Até aquele momento, não havia ocorrido uma "clara provocação" no Líbano. Na realidade, durante todo o período de eficácia do acordo de cessar-fogo no país, entre agosto de 1981 e maio de 1982, houve apenas um ataque de um foguete da OLP lançado do território libanês, em maio. O ataque teria sido uma retaliação a um bombardeio israelense no dia 9 de maio às posições da OLP no Líbano, que teria sido uma retaliação por si só um ataque à bomba da OLP em um ônibus em Jerusalém.Este evento particular destacava um problema central a partir da perspectiva israelense: o cessar-fogo aplica-se apenas à fronteira com o Líbano, o que significa que ataques da OLP a partir de outras localidades, como a Jordânia e a Cisjordânia, poderiam continuar (e continuaram) ininterruptamente, ao mesmo tempo que uma resposta israelense dirigida contra a OLP no Líbano seria tecnicamente uma violação do cessar-fogo.
Yasser Arafat recusou a condenar os ataques ocorridos fora do Líbano, argumentando que o cessar-fogo só valia dentro do terrítório libanês. A interpretação do líder palestino salientou o fato de que o acordo de cessar-fogo não era endereçado a resolução da violência em curso entre a OLP e Israel em outros palcos. Israel continuou assim a resistir aos ataques da OLP ao longo de todo o período de cessar-fogo. Ao mesmo tempo, os israelenses violaram os termos do cessar-fogo, cometendo "2125 violações do espaço aéreo libanês e 652 das águas territoriais libaneses" de agosto de 1981 a maio de 1982, incluindo o já mencionado ataque aéreo de 9 de maio e o bombardeio de 21 de abril à alvos da OLP no costa sul de Beirute.

Loukanikos Greece's front-line riot dog .








One committed protester was at the front line when Greek police fired teargas at protesters outside parliament on Wednesday.The dog, thought to be a stray called Loukanikos, or Sausage, has been in the centre of the action for years.

Greece and other European nations are in trouble because policy elites pushed the continent into adopting a single currency.
Lately, financial news has been dominated by reports from Greece and other nations on the European periphery. And rightly so.

But I've been troubled by reporting that focuses almost exclusively on European debts and deficits, conveying the impression that it's all about government profligacy and feeding into the narrative of our own deficit hawks, who want to slash spending even in the face of mass unemployment, and hold Greece up as an object lesson of what will happen if we don't.

For the truth is that lack of fiscal discipline isn't the whole, or even the main, source of Europe's troubles not even in Greece, whose government was indeed irresponsible (and hid its irresponsibility with creative accounting).

No, the real story behind the euromess lies not in the profligacy of politicians but in the arrogance of elites specifically, the policy elites who pushed Europe into adopting a single currency well before the continent was ready for such an experiment.

Consider the case of Spain, which on the eve of the crisis appeared to be a model fiscal citizen. Its debts were low 43% of GDP in 2007, compared with 66% in Germany. It was running budget surpluses. And it had exemplary bank regulation.

But with its warm weather and beaches, Spain was also the Florida of Europe and like Florida, it experienced a huge housing boom. The financing for this boom came largely from outside the country: there were giant inflows of capital from the rest of Europe, Germany in particular.

The result was rapid growth combined with significant inflation: between 2000 and 2008, the prices of goods and services produced in Spain rose by 35%, compared with a rise of only 10% in Germany. Thanks to rising costs, Spanish exports became increasingly uncompetitive, but job growth stayed strong thanks to the housing boom.

Then the bubble burst. Spanish unemployment soared, and the budget went into deep deficit. But the flood of red ink caused partly by the way the slump depressed revenues and partly by emergency spending to limit the slump's human costs was a result, not a cause, of Spain's problems.

And there's not much that Spain's government can do to make things better. The nation's core economic problem is that costs and prices have gotten out of line with those in the rest of Europe. If Spain still had its old currency, the peseta, it could remedy that problem quickly through devaluation by, say, reducing the value of a peseta by 20% against other European currencies. But Spain no longer has its own money, which means that it can regain competitiveness only through a slow, grinding process of deflation.

Now, if Spain were an American state rather than a European country, things wouldn't be so bad. For one thing, costs and prices wouldn't have gotten so far out of line: Florida, which among other things was freely able to attract workers from other states and keep labour costs down, never experienced anything like Spain's relative inflation. For another, Spain would be receiving a lot of automatic support in the crisis: Florida's housing boom has gone bust, but Washington keeps sending the Social Security and Medicare checks.

But Spain isn't an American state, and as a result it's in deep trouble. Greece, of course, is in even deeper trouble, because the Greeks, unlike the Spaniards, actually were fiscally irresponsible. Greece, however, has a small economy, whose troubles matter mainly because they're spilling over to much bigger economies, like Spain's. So the inflexibility of the euro, not deficit spending, lies at the heart of the crisis.

None of this should come as a big surprise. Long before the euro came into being, economists warned that Europe wasn't ready for a single currency. But these warnings were ignored, and the crisis came.

Now what? A breakup of the euro is very nearly unthinkable, as a sheer matter of practicality. As Berkeley's Barry Eichengreen puts it, an attempt to reintroduce a national currency would trigger "the mother of all financial crises". So the only way out is forward: to make the euro work, Europe needs to move much further toward political union, so that European nations start to function more like American states.

But that's not going to happen anytime soon. What we'll probably see over the next few years is a painful process of muddling through: bailouts accompanied by demands for savage austerity, all against a background of very high unemployment, perpetuated by the grinding deflation I already mentioned.
It's an ugly picture. But it's important to understand the nature of Europe's fatal flaw. Yes, some governments were irresponsible; but the fundamental problem was hubris, the arrogant belief that Europe could make a single currency work despite strong reasons to believe that it wasn't ready.








quinta-feira, 16 de junho de 2011

IBM completa hoje 100 anos .







A International Business Machines, mais conhecida como IBM, completa hoje 100 anos de história no mundo da tecnologia e informática.

A empresa foi fundada em 1911, em Nova York, a partir da junção de três empresas especializadas em atividades distintas como balanças, relojoaria e de cálculo que eram utilizados pelos organizadores do censo norte-americano.
Essa empresa foi batizada de CTR e foi conhecida por desenvolver os cartões perfurados. Mas com a contratação do diretor geral Thomas Watson, que permaneceu no cargo até 1956, em 1924 passou a se chamar IBM e iniciou quase um monopólio na fabricação de computadores centrais.

Os primeiros computadores centrais (mainframes), o 360, surgiram em 1950. O auge da empresa ocorreu durante a década de 1960, quando conquistou 70% de participação no mercado de computadores.

Mas a partir da década de 1970, com o crescimento da computação pessoal, a IBM começou a cair, com a aparição de empresas como Microsoft e Apple apostando no mercado de PCs, que era desprezado pela empresa. Tanto que em 2005, sua divisão de computadores pessoais foi vendida para a Lenovo.

Mas nem por isso a IBM perdeu seu posto na história da computação. Atualmente é considerada, pela Fortune, a 18ª maior empresa dos Estados Unidos e a 31ª do mundo, além de ser a 7ª mais lucrativa no mercado norte-americano.

A IBM, mesmo correspondendo a US$ 197 bilhões em valor de mercado, ainda está atrás da Apple e Microsoft, que possuem, respectivamente, US$ 300 bilhões e US$ 200 bilhões. Mas nem por isso a empresa perdeu seu posto no mercado corporativo.

Atualmente a empresa possui 400 mil funcionários em 170 países, sendo que no Brasil a IBM detém dois centros de pesquisa e desenvolvimento, localizados no Rio de Janeiro e São Paulo.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Andrés Sanchez é sim uma pessoa honésta!!!!.



Não sou amigo do Andrés Sanchez , ou do Rosemberg ou de outro membro da atual diretoria corinthiana , mas assistindo uma reportagem da Rede Record , observei um ataque descabido ao Presidente Andrés Sanchez , e que o mesmo ataque vai acabar atingindo o Corinthians , antes de citar quem é o verdadeiro alvo da Record , vou falar aos Senhores que Andrés Sanchez é sim uma pessoa HONESTA , com carater , integro e honrado , um ex-verdureiro , Corinthiano dedicado , a reportagem mostra um local em Alphaville ,um bairro nobre da cidade de Barueri-SP onde se aluga espaços , para instalar empresas , o condominio oferece toda estrutura , e quando voce necessitar para receber clientes ou reuniões voce utiliza , eventualmente , qual a ilegalidade nisto ? , nenhuma eu mesmo já usei aqueles serviços quando precisei , tudo dentro da lei , voce esta iniciando uma empresa , precisa , aluga , e daí ? , mas já afirmaram sem dar defesa ao Andrés que éra algo suspeito , e por ai vai , outra coisa , o Rosemberg falando de drogas e prostituição em reunião no Corinthians , a reportagem da Record ficou horrorizada , em reuniões de Corinthianos sai de tudo , o assunto pode ser reforma de um Jardim , ai um fala da garota tal , do restaurante que é bom "pra car..." e por ai vai , porque este tipo de assunto consta da ata oficial das reuniões do Corinthians ? , porque o Andrès determinou total transparencia , tudo que for dito em reunião deve ser feita ata com texto integral e publicada , com palavrões , assuntos descabidos etc , . Quem assim o desejar tome conhecimento . Outro fato citado " Kia e Andrés viraram íntimos. Saíam sempre juntos para aproveitar a noite paulistana." E dai ? a tempos atraz quando se encontravam bebiam , e dai ? nenhum deles iria jogar pelo time no dia seguinte . Citam ainda que o Kia é o presidente , ai nem comento . A verdade é a seguinte , alguem esta descontente com o fato da Rede Globo deter direitos de transmissão dos jogos no Campeonato Brasileiro de Futebol , e alguma coisa esta acontecendo para as transmissões das Olimpiadas , atacam Ricardo Teixeira e João Havelange não acredito que sejam santos , mas colocar o Andrés no rolo , atingir o Corinthians, em um ataque a Rede Globo demais.

publicado em 14/06/2011 às 21h23:Do Jornal da Record

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, tem um aliado de peso em São Paulo: é o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez.

Num clube cheio de craques, com a segunda maior torcida do Brasil, e uma das mais apaixonadas do mundo, ele conseguiu ficar em evidência sem nunca calçar uma chuteira - longe do gramado, na tribuna de honra.

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, não esconde o que deseja e, sobretudo, o que faz no futebol.

Em 2007, o Corinthians passou pelo vexame de ver a sua sede invadida pela polícia. Com autorização da Justiça, agentes recolheram documentos e computadores. O alvo era o então presidente Alberto Dualib.

Andrés Sanchez tinha sido vice-presidente de futebol de Dualib pouco antes: eram os tempos de Carlitos Tevez dentro de campo.

Fora de campo, quem comandava era Kia Joorabchian (representante da então parceira MSI). O iraniano era acusado de usar o clube para lavar o dinheiro roubado pela máfia russa.

Kia e Andrés viraram íntimos. Saíam sempre juntos para aproveitar a noite paulistana.

Dualib acabou condenado a três anos e quatro meses de prisão em regime aberto. Andrés escapou, não se sabe como.

Acuado pela polícia, Andrés pulou rápido para o barco da oposição. E acabou eleito presidente do Corinthians em 2007.

Quem conhece os bastidores da política corintiana, como o jornalista e blogueiro Paulo Cézar Prado, o Paulinho, diz que a parceria com Kia continua.

- O senhor Andrés Sanchez é laranja do senhor Kia Joorabchian. Kia Joorabchian é hoje o presidente de fato do Corinthians e o André Sanchez é o presidente de direito.

Corintiano da velha guarda, Cyborg coleciona denúncias contra Andrés Sanchez. Ele já pediu ao conselho deliberativo do clube informações sobre transferências de jogadores, que considera suspeitas.

- Contratar 130 jogadores para disputar três anos de campeonato? Nem o Dualib que ficou 15, 14 anos no poder contratou tanto. E nem no mundo. Essa metodologia deixa muita dúvida no seu procedimento.
Paulinho investiga negócios suspeitos feitos pelo Corinthians na gestão de Andrés Sanches. Ele entrevistou Dimitris Tzalas - conhecido como "Grego" - que compra e vende jogadores. E já fez vários negócios com o Corinthians.

- É realmente uma quadrilha. Estão ganhando muito dinheiro. Não tem negócio feito no Corinthians que o Andrés não leve comissão. Não é à toa que o chamam de "Taxinha".
- Ele tem cópia dessas transações? Ele tem cópia, ele me mostrou, eu vi cópia dos comprovantes de transferência, dos TEDs bancários.

O empresário também teria dito ao blogueiro que na compra de Souza - um atacante que marcou época pelos gols que não conseguia fazer - o Corinthians pagou 700 mil euros para um intermediário - Carlos Leite - que segundo ele redistribuía o dinheiro.

- Este é o TED da conta do Carlos Leite para a Luppi [R$ 700 mil datados de 11/01/2009]. Tenho outro aqui, do Carlos Leite para o Oliveiro Junior [R$ 350 mil], agora, este daqui você vai reconhecer… da Luppi para o Wagner Martins Ramos… sabe quem é, né?

Wagner foi sócio de Andrés na Sol Embalagens Plásticas, como aparece nos documentos da Junta Comercial de São Paulo.

Hoje, a empresa está em nome de um primo de Andrés - José Sanchez Oller.

José, Wagner e Andrés têm uma vida empresarial movimentada. Já foram ou ainda são sócios de 43 empresas. Elas mudam frequentemente de nome e endereço.

Algumas sequer funcionam. Em um dos endereços, a recepcionista diz que não há ninguém no momento que possa responder pela empresa.

Outro exemplo: um escritório de advocacia em Alphaville, na Grande São Paulo, é a sede no papel de pelo menos três empresas de Andrés, do primo e do amigo Wagner. Mas a recepcionista diz que ali é apenas um endereço para correspondência.

Quando começou a frequentar o Corinthians, Andrés Sanches era um homem pobre. A família vivia do dinheiro de uma banca de verduras no Ceasa de Campinas. Depois, abriu uma fábrica de embalagens.

Hoje, a simplicidade é coisa do passado. Dentro de seu carrão importado, gosta de dizer que é um homem bem-sucedido. Cyborg estranha o padrão de vida do dirigente.

- Como é que milionário não tem nada no nome dele? Ele não tem nenhuma propriedade no nome dele?

Com fama de explosivo e boêmio, Andrés Sanchez virou um personagem importante, não apenas para o Corinthians, mas para a estrutura de poder do futebol brasileiro. Ele virou parceiro preferencial de Ricardo Teixeira, o chefe da CBF. Foi assim que o presidente do time mais popular de São Paulo decidiu votar de acordo com os interesses de Teixeira e da TV Globo, na eleição para o Clube dos 13.

Um dos candidatos era Fabio Koff. Ele prometia uma negociação dura pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro.

Ricardo Teixeira, aliado da Globo, lançou outro nome: Kleber Leite, com um cabo eleitoral de peso - Andrés Sanchez.

Kleber perdeu, mas Andrés foi premiado pela lealdade: virou chefe da delegação brasileira na Copa da África do Sul.

Em 2011, o corintiano devolveu a gentileza: rompeu com o Clube dos 13 e anunciou que negociaria diretamente com a Globo os direitos do Brasileirão.

Em maio, num encontro com dirigentes, nem fez cerimônia.

- Sou amigo do Ricardo Teixeira mesmo, sou amigo da Globo mesmo, apesar de ser gangsteres, sou amigo não sei de quem, eu não tenho problema não. Agora, eu vejo meu clube.

A declaração pegou mal com parceiros que foram tão generosos com o Corinthians - a ponto de oferecer ao clube a chance de realizar um velho sonho: construir seu próprio estádio.

Manobra para tirar o Morumbi da Copa

Até dois anos atrás, ninguém tinha dúvidas de que o Morumbi seria o estádio paulista na Copa de 2014.
O São Paulo, dono do Morumbi, fez um primeiro projeto, e depois de receber novas instruções da Fifa, preparou o segundo desenho, que previa até cobrir o estádio. O custo da reforma era de R$ 256 milhões.

Naquela ocasião, Ricardo Teixeira e o então presidente Lula foram até o estádio e entraram em campo para anunciar que o novo Morumbi reunia as condições para receber o jogo de abertura da Copa do Mundo no Brasil.

Hoje, a promessa, que foi testemunhada por Andrés Sanchez, virou foto na parede.

No ano seguinte, tudo mudou. O motivo: o São Paulo apoiou Fabio Koff para o Clube dos 13, irritando Ricardo Teixeira.

A partir de então, o estádio do Tricolor passou a ser bombardeado pela CBF. O comitê brasileiro fez novas exigências, o que dobraria o custo da reforma. O São Paulo não aceitou, e o Morumbi ficou fora da Copa.

O advogado Francisco Mansur, que coordenava as adaptações do Morumbi para a Copa diz que a decisão de excluir o estádio do torneio foi eminentemente política.

- O Morumbi não ficou fora da Copa por nenhuma questão técnica de reforma. O Morumbi ficou fora da Copa por uma decisão política do presidente da CBF e que também é o presidente do comitê organizador local.

No lugar do Morumbi, entrou Andrés Sanchez com o projeto da Arena do Timão, que teria o custo de R$ 1 bilhão, quatro vezes mais do que a reforma do estádio do São Paulo,

A obra do novo estádio precisa de R$ 420 milhões de dinheiro público - que viriam de incentivos fiscais da prefeitura. E mais R$ 400 milhões de empréstimo do BNDES, também dinheiro público. Ainda assim, a conta só fecharia com mais R$ 180 milhões.

Dinheiro para o estádio do Corinthians

A ata de uma reunião no Corinthians explica como a construtora Odebrecht foi convencida a bancar parte da obra. Segundo o diretor de marketing do clube, Luiz Paulo Rosenberg, a empresa concluiu que poderia lucrar com as obras no entorno do estádio.

- Tá bom, eu vou fazer esse estádio no talo, mas vou fazer viaduto, vou fazer não sei o quê. Quando virar estádio de Copa tem mais dinheiro.

O mesmo diretor usou uma comparação infeliz para convencer os conselheiros de que o estádio seria lucrativo.

- Tem uma taxa de retorno de cocaína e de prostituição. Nada mais tem uma taxa de retorno de 40%.

Polêmicas à parte, Andrés Sanchez entrega o cargo no fim desse ano e se considera um vitorioso.

Mansur diz que Andrés acredita que o Corinthians vá ser beneficiado com o apoio a Teixeira.

- O presidente do Corinthians acredita claramente que ao apoiar incondicionalmente a CBF vai agregar vantagens que ele diz que são em favor do clube. O tempo vai dizer quem vai se beneficiar dessas vantagens: se o Corinthians mesmo ou as pessoas envolvidas com isso.

Se o estádio ficar mesmo pronto, quem vai pagar as dívidas? A nova direção do Corinthians? E, afinal, o homem que se diz amigo de gângsteres vai deixar a conta para o torcedor brasileiro?

Andrés Sanchez não quis se pronunciar sobre o conteúdo da reportagem. O empresário Carlos Leite negou as acusações. Dimitris Tzalas não negou e nem desmentiu os fatos apontados.

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho de São Paulo, Marcos Cintra, disse que a isenção fiscal concedida ao estádio do Corinthians trará benefícios à população, como a geração de empregos.